'Não pensei que gravar um culto pudesse ser preconceito', diz Paulo Betti após polêmica com Universal

Foto: Paulo Belote/Globo

O ator Paulo Betti se envolveu em uma polêmica nesta terça-feira (23) com o bispo Edir Macedo. Enquanto assistia um culto da igreja Universal, o artista fez um vídeo e acabou levando bronca de um segurança. Nas imagens divulgadas no Instagram, o funcionário da igreja pede para que o artista pare de gravar, mas Paulo insiste querendo saber o que o impede de fazer o registro.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

“Fui expulso do ambiente da Igreja Universal por um brutamontes, quase quebrou minha câmera. Não querem que revelem o quê?”, questionou ele, no ar em “Órfãos da Terra“, ao divulgar o vídeo.

Pouco tempo depois, Paulo excluiu o post e recebeu críticas de internautas e até da própria igreja, que emitiu uma nota afirmando que “a atitude do ator demonstra o preconceito que muitos brasileiros ainda têm contra a Universal”.

Em conversa com o Yahoo, Paulo afirmou que entrou na igreja para conhecer e não imaginou que um vídeo pudesse gerar tanta polêmica. “Não pensei que gravar um culto pudesse ser considerado preconceito ou desrespeito, minha intenção era ter ideia de como é o culto, adoro religião“, diz ele.

Desnecessário

Questionado sobre a forma que foi abordado pelo segurança, o ator disse que não se sentiu ofendido e reiterou que não estava atrapalhando a pregação, pois sentou nas últimas fileiras da igreja. “O bispo falava num telão. Não há nada de desrespeitoso nem preconceituoso no meu vídeo. É só um registro”, explica o artista, que gravava para ouvir tudo de novo quando chegasse em casa.

“Naquele momento, quem estava falando era o bispo Edir Macedo, ele falava de Abraão e eu gostaria de ter ouvido tudo e gravado para ouvir depois, mas fui interrompido. Então continuei meu passeio. Entrei na Universal porque nunca tinha ido, queria conhecer a arquitetura também“, conta Betti.

O global, que se considera ecumênico, também revelou que decidiu apagar o vídeo do Instagram para evitar interpretações equivocadas. “Não quero me envolver em uma polêmica religiosa, justo eu que sou apaixonado pelo estudo das religiões. Quero paz, amor, não discórdia. O Brasil precisa de paz”.

Leia abaixo a nota da igreja Universal, na íntegra, enviada para imprensa:

Foto: Divulgação/Universal

Visitando um templo de Igreja Universal do Reino de Deus em Teresina (PI) na segunda-feira (22), o ator da TV Globo Paulo Betti tentou gravar a reunião que acontecia no local.

Depois de ser educadamente alertado que não são permitidos registros de imagem no interior dos templos da Universal, passou a ofender o pastor que conversava com ele e saiu da Igreja atacando o Bispo Edir Macedo e os fiéis que assistiam à reunião.

Mais tarde, o ator publicou em sua página no Facebook que o bispo Macedo estava “usurpando a palavra de Deus” e que “o telão [do templo] tem imagem e som horríveis, mas havia uns 40 fiéis”.

Ou seja, enquanto reclamava de um desrespeito que teria sofrido, o ator desrespeitava uma proibição que é pública – e está afixada em avisos nas paredes do templo – e ofendia milhões de membros da Universal em todo o Brasil, insultando seu líder espiritual.

Talvez Betti não esteja acostumado ou não saiba que um templo religioso é um local de oração, para estar em contato com Deus, e que todas as religiões estabelecem regras de comportamento que os visitantes devem acatar, se quiserem frequentar aquele espaço sagrado.

Por exemplo, nas sinagogas, os homens – mesmo os não judeus – devem usar uma espécie de gorro para cobrir a cabeça, o kippah. Nas mesquitas, os visitantes devem entrar descalços, não podem vestir roupas que mostrem as pernas e as mulheres devem usar um lenço para cobrir o cabelo.

Os calçados também dever ser deixados do lado de fora e as roupas não podem deixar ombros e pernas à mostra quando se visita um templo budista.

A atitude do ator demonstra o preconceito que muitos brasileiros ainda têm contra a Universal e seus mais de 7 milhões de fiéis espalhados por todo o país. O que se espera é que a TV Globo – empresa à qual Betti presta serviço há tantos anos – não endosse o comportamento de um ator cuja imagem se confunde com a dela.

Quem quiser entrar em um dos 7.316 templos e catedrais da Universal do Brasil, será sempre bem-vindo, mesmo os preconceituosos. Basta respeitar o local e os demais visitantes que lá estiverem.

E o ator Paulo Betti pode se considerar formalmente convidado para visitar a Universal de sua escolha. Teremos o maior prazer em explicar o que acontece na Igreja, sobre o Templo de Salomão e sobre o Bispo Macedo. Para ele e para todos, as portas da Universal estarão sempre abertas.