"Não queria ser famoso, fui pelo caminho mais fácil", diz Thammy Miranda

Foto: Reprodução/Instagram (@thammymiranda)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Engana-se quem pensa que Thammy Miranda, 37, queria ter trilhado o caminho que tomou com relação à sua profissão. Ele revelou durante live que não tinha a vontade de ser famoso.

"Não queria ser famoso. A vida me levou para isso e eu acabei indo no mais fácil e no mais cômodo. Eu queria ter sido engenheiro, arquiteto. Acredito muito na política para transformar as coisas", disse ele.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentários

Filho de Gretchen, Thammy começou na dança e depois fez trabalhos na TV. Mas desde pequeno ele aparece nos canais de televisão.

O pai de Bento também entrou na política. Porém, revelou ter pedido exoneração do cargo que ocupa na Câmara Municipal de São Paulo. Em bate-papo com seus seguidores nos stories do Instagram, o ator, que foi nomeado assessor especial em agosto de 2019, disse que tomou essa decisão para não onerar os cofres públicos diante da pandemia de coronavírus.

"Pedi para ser exonerado. Não achei justo estar ganhando o dinheiro do povo sem estar lá trabalhando. Não estou trabalhando na Câmara, pelo menos por enquanto. Quando a gente voltar a trabalhar, quem sabe", explicou.

Leia também:

Segundo consta no quadro de funcionários disponível no site da Câmara Municipal de São Paulo, o ator ocupava, em abril -quando a lista foi atualizada-, o cargo de assessor de liderança no gabinete da liderança da representação partidária do Partido Liberal (PL), sob o nome Thammy Brito de Miranda e Silva.

No final do ano passado, quando o vereador Camilo Cristófaro (PSB) teve o mandato cassado pela Justiça (e depois o recuperou com liminar), Thammy chegou a ser chamado para se tornar vereador. Mas ele não entrou e isso deixou marcas nele.

"Eu sou suplente. Um dos vereadores que estavam em mandato foi caçado. Quando ele saiu eu deveria entrar. Só que estamos no Brasil e ele conseguiu uma liminar em tempo recorde, cinco horas depois, e eu não entrei. Fiquei bravo", relembrou.