'Não podemos deixar o Rio de Janeiro no retrovisor após as Olimpíadas', diz Gisele Bündchen

image

Embaixadora do Programa Ambiental das Nações Unidas, Gisele Bündchen escreve editorial para jornal americano e pede mais atenção e cuidado para os recursos naturais do Brasil (Reprodução Instagram @gisele)

Após dar uma pausa indefinida na carreira de modelo – o último desfile foi durante a Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos, de acordo com a própria –, Gisele Bündchen já se aventurou como fotógrafa, atriz, cantora e, agora, faz, às vezes, de jornalista. A über model publicou nesta semana um editorial aberto para o jornal ‘The Washington Post’, no qual pede mais atenção para as mudanças climáticas acontecendo no mundo: “A mensagem foi clara. Nós podemos viver em países separados com idiomas, bandeiras e contagem de medalhas particulares, mas estamos todos unidos pelos limites do nosso mundo natural”.

Leia mais:
Dani Suzuki posta prévia de ensaio sensual no Instagram e tira o fôlego de seus seguidores
Em talk show americano, Wagner Moura elogia Olimpíadas no Rio: ‘Foi melhor do que esperávamos’

Comentando que sua participação nas Olimpíadas 2016 foi “um dos momentos mais mágicos de toda a sua vida”, Gisele também atentou para a sua participação na série documental “Years Of Living Dangerously”, do canal National Geographic. “Apenas um mês antes de eu entrar no Maracanã com um vestido e salto alto, eu estava andando pela densa floresta Amazônica usando tênis e proteções contra cobras”, revelou. Para a brasileira, a mensagem é clara: o futuro do mundo depende da preservação da Amazônia, a maior floresta tropical do mundo.

Ao final do texto, Gisele, que também é Embaixadora do Programa Ambiental das Nações Unidas, ainda fez um apelo: “Precisamos lembrar que os recursos naturais são finitos e, se nós os esgotarmos, mudaremos a vida na Terra para sempre. […] Não podemos bancar o custo de colocar o Brasil no retrovisor após as Olimpíadas no Rio. Mesmo que não haja atletas para torcer ou medalhas para ganhar, todos temos uma parcela de culpa com o que acontece no Brasil. […] Ao contrário das corridas que aconteceram no Rio ao longo do último mês, a corrida contra a mudança climática não é de um só vencedor – ela precisa que todos trabalhemos juntos para vencermos”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos