'Não é para fazer política no meio de peças', diz presidente da Caixa Cultural

GUSTAVO FIORATTI

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em reportagem publicada pelo Jornal Nacional nesta terça-feira (8), o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, afirmou que a Caixa Cultural está fazendo restrições a temas que ele não avalia como censura.

Guimarães falou que as seleções feitas neste ano "têm contratos normais". "Agora a seleção é para falar da sua peça, não é para você no meio de uma peça fazer seu posicionamento político. A gente não fez numa contratação para fazer posicionamento político. Então não há censura."

A reportagem cita texto publicado pela Folha de S.Paulo em que funcionários admitem que há um filtro por temas, como LGBT ou sobre ditadura militar.

A reportagem da Globo também citou que no último sábado (4), Jair Bolsonaro "admitiu restringir algum tipo de obra, negando que houvesse censura".

"A gente não vai perseguir ninguém. O Brasil mudou. Com dinheiro público não veremos mais certos tipos de obra por aí. Mas isso não é censura. Isso é preservar os valores cristãos. É tratar com respeito a nossa juventude. É reconhecer a família como uma unidade familiar".

Já existem investigações no Ministério Público Federal apurando se as estatais e o governo estão praticando censura. 

No Rio de Janeiro, a Justiça suspendeu uma portaria de Osmar Terra, ministro da Cidadania, na qual ele extinguiu um edital da Ancine, a Agencia Nacional de Cinema, onde havia produções LGBT. 

Na última semana, o Ministério Público Federal também ajuizou ação no MPF de Pernambuco para que a peça Abrazo, que fala de ditadura e também teve temporada acancelada, volta a entrar em cartaz.