Museu de Viena documenta a vida em tempos de coronavírus

Ópera Nacional de Viena em 11 de março de 2020

Uma luva de borracha abandonada, uma foto de um músico na janela ou desenhos de crianças serão algumas das lembranças da vida em tempos de coronavírus que serão exibidos pelo Museu de Viena, que coletou centenas de depoimentos.

Desde que o museu pediu aos vienenses no final de março para documentar seu dia-a-dia, abalado pela pandemia e pelas restrições que ela trouxe, recebeu cerca de 1.800 contribuições em forma de fotos, disse Konstanze Schäfer à AFP na terça-feira, porta-voz do museu de história da cidade.

"Queremos ver como contaremos aos nossos filhos e aos filhos dos nossos filhos o que aconteceu em Viena, porque é um momento forte para todos", disse Schäfer.

"Temos que fazer isso agora [...] porque muitos dos projetos que surgiram no início da crise, como ajuda entre vizinhos, não existem mais", acrescentou.

No momento, parte das propostas já pode ser vista no site do museu, que publicou fotos das contribuições dos indivíduos.

Além das inúmeras máscaras, embalagens de álcool em gel e luvas, há um cartaz policial com as regras da distância física, a foto de uma tela de celular com uma ligação de quase uma hora e meia com a linha de emergência dedicada ao coronavírus, o foto de um aniversário confinado e de um beijo dado através de um vidro de separação.

O museu continuará aceitando propostas "enquanto o coronavírus existir" e coletará objetos de indivíduos, antes de decidir onde serão exibidos permanentemente.

A Áustria considera que a epidemia está controlada em seu território, onde o COVID-19 causou 606 mortes entre as aproximadamente 15.600 pessoas infectadas.

O país de 8,8 milhões de habitantes lançou uma saída gradual do confinamento em meados de abril.