Museu Metropolitan cogita vender obras de arte para enfrentar crise da Covid

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O museu Metropolitan, de Nova York, que enfrenta um déficit que deve chegar aos US$ 150 milhões em razão da pandemia de coronavírus, cogita vender obras de arte para ajudar na manutenção de seu acervo. Segundo o New York Times, o museu começou conversas com casas de leilão e curadores da casa sobre o assunto. Max Hollein, diretor do Met, disse em entrevista ao jornal que "este é o momento em que precisamos manter nossas opções em aberto" e que "seria impróprio não considerar isso enquanto ainda estamos nesta situação nebulosa". O Met não é o único museu a avaliar essas vendas para lidar com a crise financeira gerada pelo fechamento durante a pandemia. Como mostrou reportagem da Folha, museus chegaram a vender obras para evitar fechar as portas de vez durante a crise. A tela "Portratir of Sir David Webster", do britânico David Hockney, por exemplo, foi leiloada para angariar fundos para o Royal Opera House, em Londres. Até a pandemia, a Associação dos Diretores de Museu de Arte dos Estados Unidos vetava que o dinheiro dessas vendas fosse usado para financiar custos operacionais, como o pagamento de salários e a manutenção do acervo, que é o caso do Met. Mas esse movimento se tornou viável depois que o órgão reconheceu a "crise sem precedentes" em 2020 e afrouxou as regras.