Museu do Amanhã sofre cortes e suspende terças-feiras gratuitas

MARINA LOURENÇO
***ARQUIVO***RIO DE JANEIRO, RJ, 02.08.2018 - MUSEU-AMANHÃ: Museu do Amanhã, localizado na praça Mauá, um dos locais onde existe o Programa Segurança Presente, no Rio de Janeiro. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, anunciou em comunicado nesta terça-feira (22) que vai suspender a visitação gratuita das terças-feiras a partir de 28 de janeiro. A medida estava prevista no plano de trabalho firmado entre a prefeitura da cidade e o IDG (Instituto de Desenvolvimento e Gestão).

O diretor-executivo do museu, Henrique Oliveira, afirma que mesmo com a "drástica redução de repasses", o espaço tem atendido a um público crescente. "Agora a decisão foi adotada para que continuemos funcionando sem prejuízo de limites de dias ou horários de visitação, com a programação atualizada e de boa qualidade", explica.

Não é a primeira vez que a crise do orçamento público carioca atinge espaços artísticos. Em novembro do ano passado, o MAR (Museu de Arte do Rio) deu um aviso prévio a seus funcionários, anunciando um possível fechamento. A ação fez com que o Cimam (Comitê Internacional para Museus e Coleções de Arte Moderna, na sigla em inglês) publicasse um apelo à prefeitura, no dia 11 de janeiro. 

Segundo informações da nota do Museu do Amanhã, o IDG não recebe aporte de recursos desde quando começou a gerir a instituição, em novembro de 2019.

Todos os custos de manutenção e programação do museu estão sendo totalmente financiados pela iniciativa privada, em parte pela Lei de Incentivo à Cultura, e por receitas operacionais como bilheteria, locação de espaço e eventos.

No histórico de repasses, divulgado pelo museu, a prefeitura destinou a ele R$ 16 milhões em 2015; R$ 20 milhões em 2016; R$ 12 milhões em 2017; R$ 5 milhões em 2018 e R$ 2 milhões em 2019, dos quais foi pago apenas R$ 1 milhão.

Em 2019, mesmo com o menor repasse da série histórica, o museu aumentou em 9% a visitação, em relação ao ano anterior, e chegou aos 4 milhões de visitantes. 

O Museu do Amanhã terá diversidade como tema central da curadoria, programação e atividades em 2020.