Mulheres que fumam maconha têm orgasmos melhores, diz estudo

Mulheres que fumam maconha têm melhores orgasmos – (Foto: Getty Images)

Como vários estudos já revelaram, a maconha possui várias vantagens e, de acordo com uma nova pesquisa, o orgasmo feminino é mais uma coisa a se beneficiar com a erva. Publicado na revista “Sexual Medicine”, o estudo aponta que cerca de um terço das americanas que relataram usar a maconha antes de uma relação sexual experimentaram maior desejo e melhor orgasmo.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Conduzidos pela Dra. Becky Lynn, da Faculdade de Medicina da Universidade de Saint Louis, os pesquisadores afirmam que as usuárias de maconha são duas vezes mais propensas a terem orgasmos “satisfatórios” comparadas às que não fumam. Eles também enfatizam que o uso recreativo da maconha está aumentando nos Estados Unidos, já que muitos estados legalizaram o uso da planta.

O estudo entrevistou 373 mulheres em Saint Louis, no Missouri. Cerca de 127 delas (ou 34%) costumam usar maconha antes das relações sexuais.

Leia mais: Mulheres são mais suscetíveis a serem viciadas em maconha que os homens, diz estudo

Ao todo, 197 mulheres (52%) disseram não consumir a maconha e 49 delas (13%) já fizeram uso da droga, mas não antes de uma relação sexual. As que usaram a cannabis antes do sexo mostraram ter mais lubrificação e menos dor durante o ato.

Os pesquisadores apontam a ausência de estudos sociais analisando o impacto da droga na saúde sexual. Isso porque a cannabis age diretamente no receptor do cérebro relacionado à função sexual, por isso os dados são uma descoberta importante. Eles focam na relação entre a maconha e a satisfação das mulheres com sua vida sexual, desejo, orgasmos, lubrificação e dor durante o sexo.

Leia mais: Pessoas que fumam maconha fazem mais sexo, diz estudo

“O que há de novo neste estudo é a maconha sendo enquadrada como sendo útil para o sexo. Normalmente, as drogas são investigadas como fatores de risco para o sexo. Acho que este artigo significa que os tempos estão mudando”, disse Joseph Palamar, pesquisador de saúde da população do NYU Langone Medical Center, em Nova York (EUA), que não estava envolvido no estudo.