Mulher morre alguns meses após os médicos terem removido seus dois rins saudáveis por engano

Linda Woolley contou que os médicos disseram que ela tinha câncer nos rins e que ambos precisariam ser removidos. Mas após a cirurgia, uma biópsia não mostrou sinais de câncer. (Foto: KDVR Denver)

Uma mulher de 73 anos morreu no Colorado, na sexta-feira, nove meses depois de os médicos terem removido os rins, devido a um erro de diagnóstico. A cirurgia foi feita após um diagnóstico errado de câncer, dois meses antes.

Antes de sua morte, Linda Woolley disse à emissora de notícias KDVR, em Denver, que sua “vida mudou totalmente” depois de passar por uma cirurgia desnecessária em maio, depois que os médicos do Hospital da Universidade do Colorado disseram ter encontrado câncer em ambos os rins, com base em resultados de exames patológicos. Mas ela descobriu mais tarde que os exames, na verdade, mostraram que não havia “nenhuma evidência de malignidade” nos resultados “consistentes com um processo benigno”.

Woolley vinha levando uma vida ativa antes da cirurgia, andando a cavalo e nadando em seu tempo livre. Mas a confusão médica pôs fim a tudo isso, levando a avó a fazer tratamentos de diálise de quatro horas, três vezes por semana.

“A diálise não é um piquenique, não importa o quanto você esteja acostumado ao tratamento”, disse ela à KDVR. “O tratamento suga sua vida.”

Woolley descobriu estar vivendo um pesadelo ainda pior quando uma biópsia de acompanhamento de seus rins revelou “nenhuma evidência de carcinoma” e “nenhuma lesão em massa identificada”. Ela disse que o diagnóstico foi “um grande erro”, e disse à KDVR que estava pensando em entrar com uma ação judicial. Quando questionada se ela achava que a Universidade do Colorado lhe devia um pedido de desculpas, ela respondeu com lágrimas nos olhos: “Eu sinto que eles me devem um rim”.

Um porta-voz do Hospital da Universidade do Colorado não ofereceu nenhuma explicação para a KDVR sobre a trágica experiência de Woolley, dizendo simplesmente: “Não temos nenhuma informação sobre isso.” A estação informou que o hospital nem mesmo reconheceu que Woolley tenha sido uma paciente deles, apesar do fato de que há um formulário de alta, assinado por ela, comprovando que ela foi uma paciente naquele hospital.

“É aterrorizante porque quando você vai a um hospital, você não tem escolha”, disse ela. “Você confia que eles vão cuidar bem de você.”

Woolley teve uma parada cardíaca em 29 de janeiro, alguns dias antes de sua morte. O Hospital da Universidade do Colorado enviou suas condolências à família, de acordo com a KDVR, emitindo uma declaração que dizia: “Nossas sinceras condolências para a família e entes queridos. Estamos empenhados em fornecer cuidados de alta qualidade para nossos pacientes. Infelizmente, não podemos discutir o caso de nenhum paciente específico por causa das leis federais e estaduais que protegem a privacidade dos pacientes”.

Linda Woolley era uma ávida cavaleira e gostava de andar a cavalo com a filha. (Foto: GoFundMe)

Uma das filhas de Woolley, Heidi Haines, disse à KDVR que planejava doar um rim para sua mãe.

“Eu pensei que conseguiria consertar esse erro e agora não terei mais essa chance”, disse ela.

Haines disse que sua mãe também estava antecipando ser incluída na lista nacional de transplante de rins – o tempo de espera é de três a cinco anos e às vezes mais que isso, segundo a National Kidney Foundation (Fundação Nacional do Rim) – e já estava programado um teste de estresse cardíaco na semana que vem.

“Era triste vê-la mal e deprimida, quando ela estava conosco, mas pelo menos ela estava aqui”, disse Haines.

A filha de Woolley, Jodi Fournier, disse à KDVR que sabe que sua mãe ainda estaria viva se os médicos não tivessem erroneamente removido seus rins. “Há algumas coisas que os rins regulam, uma delas é o potássio”, disse Fournier à emissora. “E quando você não tem os rins, você precisa da diálise para remover as toxinas do seu corpo. Os níveis de potássio dela eram o dobro do que deveriam apresentar e isso causou a parada cardíaca.”

A família montou uma página no GoFundMe em memória de Woolley, prestando homenagem à “nossa mãe aventureira, corajosa e bonita” que sofreu “inúmeras complicações que se seguiram àquele evento horrível”. Eles esperam usar doações “para ajudar com os custos do funeral e enterro e de despesas futuras/passadas.”

O Yahoo Lifestyle entrou em contato com o Hospital da Universidade do Colorado e com Haines para comentarem sobre o caso.

Kristine Solomon