Mulher chega do trabalho e encontra carta embaixo da porta exigindo roupas 'decentes'

·2 minuto de leitura

Morando há menos de um mês num condomínio em Maringá (PR), Ana Paula Benatti se surpreendeu na última sexta-feira, dia 7, ao chegar do trabalho e encontrar uma carta anônima no chão de seu apartamento exigindo que ela vestisse roupas "decentes". Diante disso, Ana Paula mostrou em suas redes sociais ter ficado revoltada com aquela mensagem escrita à mão e relatou ter registrado ocorrência na delegacia de polícia do município.

"Senhora! 102", começa a carta, cujo conteúdo segue trazendo vários erros de português: "Gostariamos que tivesse o pudor e decência de usar roupas adequadas nas dependências do condôminio. Aqui mora pessoas casadas, e de varias religiões e a senhora não está tendo o respeito usando roupas vulgar não sei de onde veio, mais aqui mora gente de familia então por favor dá-se o respeito porque eu como homem e pai de familia fiquei com vergonha de estar com minha filha e a senhora quase nua lá fora. Muda o jeito de se portar neste lugar ou vamos conversar com a dona do apartamento. Aqui não é zona não! Respeite as familia desse lugar. Obrigado (sic)".

Questionada por um seguidor sobre a roupa que ela estava usando para ter gerado tal situação, a moradora disse que essa observação não é o ponto central da história, já que ela defende o respeito às mulheres independentemente do que vestem. Em um post, ela se negou a divulgar uma imagem de si mesma com a peça que pode ter provocado as críticas.

"Eu acho que isso nesse momento é o menos relevante, então não irei postar porque isso não vem ao caso. Independente de como eu estiver vestida eu tenho que ser respeitada", frisou.

Ana Paula afirmou que já foi procurada pelo síndico do condomínio, que lhe teria demonstrado apoio na tentativa de identificar o autor da carta. A moradora disse que não há câmeras de segurança no interior do bloco onde fica seu apartamento, mas não desanimou e explicou que serão analisadas as imagens que mostram a entrada do prédio. Segundo ela, o vídeo pode ter captado alguma movimentação suspeita que auxilie nas investigações.

"Tem muitas pessoas me criticando e atacando, mas eu só lamento para essas pessoas. Isso não vai me fazer desistir. Isso não vai me fazer abaixar a cabeça. Podem falar o que for, porque tem mais pessoas me apoiando do que me criticando. Então isso é irrelevante pra mim. Você, que me critica, que está me atacando, me culpando por ter desrespeitado a família — entre aspas né —, isso não vai me fazer desistir, não vai me fazer parar. Eu vou com isso adiante. Até onde eu puder ir eu vou. Até se resolver — destacou Ana Paula em um vídeo postado nos Stories nesta quarta-feira, 12.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos