Para adolescentes, muito tempo sentado pode aumentar risco de depressão

Os cientistas associaram o comportamento sedentário à depressão em adolescentes. (Getty Images)

Passar muito tempo sentado pode desencadear depressão em adolescentes, sugerem pesquisas. Cientistas da Universidade de Londres pediram a mais de 4.200 adolescentes de 12, 14 ou 16 anos para usarem rastreadores fitness por pelo menos 10 horas em três dias.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Eles descobriram que a cada hora adicional de "comportamento sedentário" por dia, o risco de depressão do adolescente aos 18 anos aumentava em até 11%.

Leia também

“O preocupante é que a quantidade de tempo que os jovens passam inativos tem aumentado constantemente há anos, mas houve uma enorme abstenção de pesquisas de alta qualidade sobre como isso poderia afetar sua saúde mental”, disse o principal autor, Aaron Kandola.

“O número de jovens com depressão também parece estar crescendo e nosso estudo sugere que essas duas tendências podem estar ligadas”.

"Deveríamos incentivar pessoas de todas as idades a se movimentarem mais e a se sentarem menos, pois isso é bom para nossa saúde física e mental".

A saúde mental dos jovens tem sido tratada cada vez mais como um problema grave.Uma em cada nove crianças, de 5 a 15 anos no Reino Unido, lutou contra algum distúrbio de saúde mental em 2017.

Nos EUA, 3,2% (1,9 milhão) de crianças entre 3 e 17 anos foram diagnosticadas com depressão. O NHS reconhece a importância do exercício para aliviar a depressão, já que exercícios liberam endorfinas “boas para a saúde”.

Para entender melhor, os cientistas analisaram adolescentes de 12, 14 ou 16 anos que participaram do estudo “Crianças dos anos 90” da Universidade de Bristol. Rastreadores fitness registravam se os jovens participavam de atividades leves - como caminhar ou pintar - ou atividades moderadas a intensas - como correr ou andar de bicicleta.

Os questionários descobriram sintomas depressivos, como mau humor ou baixa concentração.

Foi demonstrado que o exercício ajuda a evitar a depressão em todas as idades. (Getty Images)

Os resultados, publicados no The Lancet, revelaram que os adolescentes se tornaram menos ativos entre as idades de 12 e 16 anos. Durante esse período, a atividade leve passou de uma média de 5 horas e 26 minutos por dia para 4 horas e 5 minutos.

O comportamento sedentário também aumentou de 7 horas e 10 minutos para 8 horas e 43 minutos. Para cada hora adicional de comportamento sedentário aos 12, 14 e 16 anos de idade, os índices de depressão aos 18 aumentaram 11,1%, 8% e 10,5%, respectivamente.

Os participantes com comportamentos sedentários consistentemente altos dos 12 aos 16 anos tiveram uma pontuação 28,2% maior aos 18. Por outro lado, cada hora extra de atividade leve aos 12, 14 e 16 anos, reduziu a chance de depressão de um participante aos 18 anos em 9,6%, 7,8% e 11,1%, respectivamente.

Os resultados foram confirmados depois que os cientistas ajustaram fatores socioeconômicos, saúde mental dos pais e bem-estar no início do estudo. Níveis baixos de atividade moderada a intensa deixaram os cientistas sem possibilidade de avaliar os efeitos no humor mais adiante.

"Muitas iniciativas promovem exercícios para os jovens, mas nossas descobertas sugerem que atividades leves também devem receber mais atenção", disse o autor do estudo, Joseph Hayes. "As escolas podem integrar atividades leves no dia-a-dia de seus alunos, como aulas realizadas em pé ou de modo ativo”.

"Pequenas mudanças em nossos ambientes podem nos ajudar a sermos um pouco menos sedentários".

Alexandra Thompson