Muçulmanas se encarregam de espalhar espírito natalino em Gaza

.

GAZA (Reuters) - Muçulmanas da Faixa de Gaza palestina estão confeccionando presentes artesanais para o iminente Natal ortodoxo como parte de um projeto para empoderar uma comunidade tradicional.

Seus bonecos de Papai Noel, suas árvores de Natal de brinquedo e seus fantoches vermelhos e brancos têm muita procura durante as festas de final de ano em Gaza, em Belém e na Itália.

Embora a maior parte da população de 2 milhões de habitantes de Gaza seja de muçulmanos, cerca de 1.000 são cristãos, a maioria gregos ortodoxos, que comemoram o Natal no dia 7 de janeiro.

"Nosso profeta nos estimulou a respeitar todas as religiões, e gostamos de nos unir a elas na celebração do seu dia", disse a projetista de produtos do grupo, Laila Tayeh.

Tayeh e suas colegas integram a Associação Cooperativa Zaina, trabalhando em uma comunidade de Gaza que costuma restringir a circulação das mulheres fora de casa.

Haneen Alsammak, a diretora-executiva da associação, disse que o projeto deu treinamento em carpintaria e alfaiataria às mulheres e permitiu que saíssem de casa para trabalhar e espalhar algum espírito natalino.

"Esta é uma mensagem de amor para os cristãos dentro e fora de Gaza", disse.

Gaza é administrada pelo movimento islâmico Hamas, que é designado como um grupo terrorista pelo Ocidente e pela vizinha Israel, com o qual travou três guerras na última década.

Em 2018, só 26% das mulheres de Gaza participaram da mão de obra, de acordo com o Escritório Palestino Central de Estatísticas.

(Por Nidal al-Mughrabi)