MPRJ e Polícia Militar fazem operação contra extorsão a mototaxistas e têm PMs como alvo, em Duque de Caxias

·2 minuto de leitura

A cobrança de propinas a mototaxistas que atuam em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, deu início à Operação Mototáxi, na manhã desta quarta-feira, dia 2, realizada pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) e pela Polícia Militar. A ação visa a cumprir mandados de busca e apreensão contra oito integrantes de uma associação criminosa, dos quais sete deles policiais militares, à época lotados no 15º BPM. As denúncias pelo crime de associação criminosa para prática de corrupção e extorsão foram colhidas no período de outubro de 2019 a maio de 2020.

De acordo com o MPRJ, foi denunciado pelo esquema o policial Rosemiro Teixeira Lima, conhecido como 'Miro' e apontado como o chefe de cinco pontos de mototáxis de Duque de Caxias. Os mandados também foram emitidos para os PMs Ronaldo Pereira de Oliveira; Marcelo Pio de Oliveira; Mauricio da Conceição dos Santos Junior; Bruno Peixoto Rosa; Paulo Ricardo dos Santos Lucas e Douglas do Valle Andrade Barreto. Os responsáveis pela operação requereram a perda da função pública dos envolvidos.

Além dos policiais, Também foi denunciado Humberto Geraldo dos Santos Fernandes, conhecido como Zico, que administrava os pontos, no qual controlava o acesso e a circulação dos mototaxistas, recolhia as extorsões e repassava aos policiais.

As denúncias foram recebidas e os mandados deferidos pelo juízo da 3ª Vara Criminal da Comarca de Duque de Caxias e pela Auditoria da Justiça Militar, que decretou cautelarmente a suspensão do exercício da função pública dos denunciados. Participaram da ação o MPRJ, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ) a PMERJ, por meio da sua Subsecretaria de Inteligência (SISPMERJ) em parceria com a Corregedoria da PMERJ e a 59ª Delegacia da PCERJ, A operação contou com o apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ).