MP do Rio de Janeiro recomenda "lockdown" a governos estadual e municipal para conter avanço do coronavírus

Foto: Luis Alvarenga/Getty Images

O Ministério Público do Rio de Janeiro recomendou ao Estado e à prefeitura da capital fluminense a adoção de medidas de isolamento mais restritas, como o lockdown, para conter o avanço da Covid-19, doença respiratória provocada pelo novo coronavírus, informou o órgão nesta quinta-feira.

A sugestão é que o lockdown seja adotado por ao menos 15 dias. A recomendação encaminhada aos governos estadual e municipal se baseia, segundo o MP, em estudos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e de outras instituições que defendem isolamento total.

Leia também

"Essas medidas devem contemplar diretrizes como a proibição de atividade não essencial, como acesso de pessoas a espaços de lazer públicos como calçadões, praças, funcionamento de comércios não essenciais, além da proibição de circulação de veículos nas ruas, nas áreas mais críticas definidas pelo próprio governador e prefeito, afirma o documento do MP

"O MPRJ recomenda ainda a adoção de medidas da assistência social, que visem a assegurar condições de sobrevivência à população”, acrescentou o órgão.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

No Rio de Janeiro, a doença avança rapidamente e num intervalo de 10 dias, o total de óbitos dobrou praticamente. No começo de maio eram cerca de mil mortes e nessa quarta-feira o Estado já registrava 2.050.

O Estado já confirmou também 18.728 casos de coronavírus e mais de 900 mortes ainda são investigados

Em meio ao avanço da pandemia, as redes de saúde pública e privada operam com taxa de ocupação de mais 90%, faltam equipamentos de proteção individual (EPIs) e profissionais médicos e os hospitais de campanha inaugurados ainda não operam na capacidade máxima.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

***Por Rodrigo Viga Gaier, da Reuters