Movimentos suprapartidários pressionam por resposta institucional a ataques à democracia

Grasielle Castro

Mais de 230 mil pessoas aderiram ao movimento Estamos Juntos, e pelo menos outras 6 frentes endossam bandeira semelhante: todos em prol da democracia. A escalada autoritária a que o Brasil assistiu na última semana, que inclui a fala do filho do deputado Eduardo (PSL-SP) ― filho 03 do presidente Jair Bolsonaro ― sobre uma iminente ruptura institucional, foi capaz de unir até adversários políticos para demonstrar insatisfação com gestos do governo e tentar fortalecer o Estado Democrático de Direito. 

Integrantes de grupos que estão vigilantes a ataques à Constituição ouvidos pelo HuffPost defendem uma resposta institucional, especialmente do Congresso Nacional e do STF (Supremo Tribunal Federal), a qualquer ato antidemocrático. Esses movimentos afirmam que o País vive um grave tensionamento político, sem a convivência harmônica entre os Poderes.

“As instituições precisam ter bem claro o papel de cada uma. Não é momento de declarações passionais ou que não sejam positivas em torno da agenda do País”, diz o promotor de Justiça Manoel Murrieta, presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp).

Murrieta assina nota subscrita por 8 entidades de classe ligadas à Justiça, como AMB (de magistrados), ANPR (de procuradores da República), Ajufe (de juízes federais), na qual há compromisso com fortalecer harmonia e independência entre os poderes. Ao HuffPost, o promotor destacou que não será aceita qualquer possibilidade de ruptura.

“Vamos a 32 anos de fortalecimento da democracia, já passamos por 2 impeachment, outras crises e as instituições só se fortalecem. Esse é o caminho adequado em uma sociedade que quer construir um país livre, um país em busca de direitos iguais, direitos civis reconhecidos e toda gama de direitos importantes para qualquer cidadão no mundo”, analisa Murrieta.

A mesma defesa é feita pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) ao HuffPost. Presidente da seccional de...

Continue a ler no HuffPost