Mostra de Cinema de SP terá filmes online e nas salas e vai exigir vacinação

SÃO PAULO, SP, BRASIL, 24-09-2020 - salas de cinema e de teatro na capital e Grande São Paulo. (Foto: Ronny Santos/Folhapress)
SÃO PAULO, SP, BRASIL, 24-09-2020 - salas de cinema e de teatro na capital e Grande São Paulo. (Foto: Ronny Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHARESS) - Foi com ineditismo que a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo do ano passado se lançou no mundo digital --como vários outros festivais ao redor do mundo fizeram--, promovendo quase todas as suas sessões numa plataforma de streaming feita sob medida.

Um ano depois, com os cinemas reabertos e parte da população vacinada, o evento finalmente volta a sua forma física, mas sem abandonar o novo formato online que experimentou na última edição. Em seu 45º ano, a Mostra acontece de maneira híbrida, entre os dias 21 de outubro e 3 de novembro --mas a abertura é já no dia 20, com sessões simultâneas em vários cinemas e, dessa vez, para o público geral.

Detalhes sobre o funcionamento do formato, bem como o lineup de filmes escalados e os endereços que os exibirão, foram revelados neste sábado (9) por Renata de Almeida, diretora da Mostra de Cinema de São Paulo, em um evento para jornalistas.

"Todo ano a gente tem prioridades, e a deste ano era voltar às salas. E eu acho que é um pouco a nossa obrigação promover esse retorno, para ajudar nossos parceiros, os exibidores, nesse momento", disse ela, em entrevista poucos dias antes do evento deste sábado. Com a retomada do setor cultural de forma presencial na cidade, os cinemas, especialmente os de rua, lutam para reconquistar o público após meses de uma verdadeira tragédia financeira.

"Eu fico pensando que se quero viver numa cidade com cinemas que passam os tipos de filmes exibidos na Mostra, nós temos que fazer algo para ajudá-los. Também precisamos considerar o que as salas de cinema de rua trazem para a cidade e para a economia. E a Mostra é um evento da cidade."

A decisão de promover o festival em formato híbrido, no entanto, fez com que Almeida tivesse "momentos de arrependimento", quando a conta de realizar um evento tanto na esfera virtual, quanto na física, chegou. Segundo a diretora, gastos como a manutenção de uma plataforma de streaming se somaram àqueles mais tradicionais, como legendagem eletrônica, transporte, monitoria e um sistema de vendas que integre todas as salas participantes.

Tudo isso sem que a Mostra recuperasse os patrocínios que perdeu no ano passado. "Essa semana eu tive finalmente um choque, e agora estamos cortando despesas para que a 45ª Mostra possa caber no orçamento", diz ela. Nesta edição, a lista de obras na programação ainda é maior que a a do ano passado, embora ainda esteja abaixo da era pré-pandêmica.

Todos os filmes escalados para o evento serão exibidos de forma presencial. Alguns, além disso, estarão disponíveis online para um número limitado de visualizações. No caso das sessões in loco, será exigido do público um comprovante da vacina contra a Covid-19, para que as pessoas "se sintam mais seguras numa sala de cinema em que elas saibam que todo mundo está vacinado".

Parceiros antigos retornam para esta edição. As salas participantes estão nos cinemas do Espaço Itaú --Augusta, Frei Caneca e Pompeia--, Cine Marquise, Petra Belas Artes, Cinesesc, Reserva Cultural e Cinesala. Também recebem sessões a preços populares o Centro Cultural São Paulo --o CCSP--, o Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso e o Museu da Imigração, na zona leste da cidade. No vão livre do Masp, ocorre exibição ao ar livre e gratuita.

Entre os filmes confirmados estão obras que fizeram sucesso na temporada de festivais europeus, como "Annette", do francês Leos Carax, "Ahed's Knee", do israelense Nadav Lapid, "Noche de Fuego", da salvadorenha Tatiana Huezo, e "Murina", da croata Antoneta Alamat Kusijanovic, todos premiados em Cannes.

Eles já haviam sido adiantados em matéria deste jornal, bem como "Bergman Island", da francesa Mia Hansen-Love, "Les Intranquilles", do belga Joachim Lafosse, "Jane par Charlotte", da franco-inglesa Charlotte Gainsbourg, "Petrov's Flu", do russo Kirill Serebrennikov, e "Next Door", do ator teuto-brasílio-espanhol Daniel Brühl.

Agora, a Mostra também confirma a presença de alguns dos títulos mais aguardados do ano, como os novos longas de Wes Anderson, "A Crônica Francesa"; de Tom McCarthy, "Stillwater"; de Edgar Wright, "Noite Passada em Soho"; de Asghar Farhadi, "Um Herói", e do sul-coreano Hong Sang-soo, "A Mulher que Fugiu" e "Introduction".

Também são destaques os últimos vencedores da Palma de Ouro de Cannes, "Titane", de Julia Docournau, e do Urso de Ouro de Berlim, "Má Sorte no Sexo ou Pornô Amador", de Radu Jude, bem como o curta "A Voz Humana" e o longa "Memoria", ambos estrelados por Tilda Swinton --o primeiro com direção do espanhol Pedro Almodóvar e o segundo, do tailandês Apichatpong Weerasethakul.

Entre os nacionais, há o já divulgado "Ziraldo, Era uma Vez um Menino", documentário sobre o cartunista que assina o desenho do cartaz desta Mostra; "Bob Cuspe", de Cesar Cabral; "Deserto Particular", de Aly Muritiba; "Marinheiro das Montanhas", de Karim Aïnouz; "Medusa", de Anita Rocha da Silveira; "O Melhor Lugar do Mundo", de Caco Ciocler, e "A Viagem de Pedro", de Laís Bodanzky, em que Cauã Reymond interpreta dom Pedro 1º.

Os homenageados deste ano são o diretor português Paulo Rocha, que ganha retrospectiva com seus filmes, e a atriz e diretora Helena Ignez, que recebe o prêmio Leon Cakoff.

Confira a lista completa de filmes no site da 45ª Mostra de Cinema e mais detalhes sobre endereços e ingressos no Guia Folha.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos