Pela 1ª vez, mortes por covid-19 no interior superam total registrado em regiões metropolitanas

Marcella Fernandes

A pandemia do novo coronavírus segue avançando no Brasil. Com 44.571 diagnósticos confirmados em 24 horas, o total de casos de covid-19 chegou a 1.713.160 nesta quarta-feira (8), de acordo com levantamento divulgado pelo Conass (Conselho Nacional dos Secretários de Saúde), com dados compilados até às 18h.

No mesmo intervalo, foram contabilizados 1.223 óbitos. O total de mortes é de 67.964. Em números absolutos, o estado de São Paulo lidera o ranking de vítimas fatais, com 16.788 óbitos, seguido pelo Rio de Janeiro (10.970), Ceará (6.665), Pernambuco (5.323) e Pará (5.169).

Persiste também a interiorização da pandemia no Brasil. Pela primeira vez, os óbitos acumulados no interior superaram os acumulados nas regiões metropolitanas. Isso ocorreu na semana epidemiológica 27, encerrada em 4 de julho, quando 52% das mortes por covid-19 eram do primeiro grupo e 48% no segundo, de acordo com boletim do Ministério da Saúde divulgado nesta quarta.

Segundo a pasta, até 4 de julho, 5.371 (96,4%) dos municípios registraram casos do novo coronavírus e 2.840 (51%) tiveram óbitos. Em 18 de junho, eram 4.590 municípios com casos e 2.165 com mortes.

Ao analisar dados regionais, na Região Sul, o boletim mostra aumento de 36% dos casos confirmados entre a semana 26, encerrada em 27 de junho, e a semana seguinte. Já os óbitos cresceram 27% no período. No Centro-Oeste, o aumento dos caso foi de 18% de uma semana para a outra. Já as mortes subiram 22%.

Na região Norte, houve redução de 5% dos óbitos e 15% no período. No Nordeste, foi registrado aumento de 15% dos casos confirmados de uma semana para outra e estabilidade nas mortes. Já no Sudeste, ambos indicadores aumentaram 1%.

Brasil lidera novos óbitos por semana

Na comparação com outros países, o Brasil lidera o total de óbitos novos na semana encerrada em 4 de julho, de acordo com o boletim. Foram 7.195. Em segundo lugar, aparece os Estados Unidos, com 4.637 mortes no período.

De...

Continue a ler no HuffPost