Brasil supera Itália em mortes por covid-19, tem novo recorde e acumula 34.021 vítimas fatais

Marcella Fernandes

Na escalada da pandemia do novo coronavírus, o Brasil, com um novo recorde de mortes, superou a Itália nesta quinta-feira (4) e se tornou o terceiro país com mais vítimas fatais de covid-19: 34.021, de acordo com balanço divulgado pelo Ministério da Saúde. São 1.473 óbitos nas últimas 24 horas. Na quarta (3), haviam sido registrados 1.349 óbitos.

Com 33.689 mortes, a Itália estava em terceiro lugar no ranking, de acordo com o mapeamento do Centro de Recursos de Coronavírus da Universidade Johns Hopkins. Até o momento, Estados Unidos e Reino Unido ocupam, respectivamente, o primeiro e segundo lugar.

A pandemia já causou mais de 387 mil óbitos no mundo. São 6,5 milhões de casos confirmados, de acordo com dados atualizados nesta quinta. 

Na comparação internacional, o Brasil é o segundo país com mais diagnósticos, atrás apenas dos Estados Unidos, que conta com 1,8 milhão de casos. 

Com 30.925 casos confirmados nas últimas 24 horas, o total de diagnósticos nas cidades brasileiras chegou a 614.941, de acordo com o boletim desta quinta. O maior número de infecções está no estado de São Paulo, com 129 mil casos e 8.560 mortes. Em seguida, aparecem Rio de Janeiro, com 6.327 óbitos, Ceará (3.813), Pará (3.416) e Pernambuco (3.134).

Os dados mais recentes evidenciam mais uma vez o agravamento da crise sanitária no País. Esta é a 10ª vez que o total de mortes confirmadas de um dia para o outro é acima de mil

A primeira vez em que isso ocorreu foi em 19 de maio, com 1.170 óbitos confirmados em 24 horas. O número também foi um marco na evolução diária da pandemia quando comparada a outros países. Superou o total de 919 mortes confirmadas de um dia para o outro no fim de março na Itália, um dos principais epicentros na Europa da crise sanitária e um dos cenários mais dramáticos da pandemia até então.

Outro marco foi na semana seguinte. Em 25 de maio, o Brasil ultrapassou os Estados Unidos no registro diário de mortes:...

Continue a ler no HuffPost