'Morte e Vida' tem João Cabral demais e Chico Buarque de menos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

FOLHAPRESS - Não é novidade que o poema de João Cabral de Melo Neto, um auto de Natal feito por encomenda, seja "seco" e bem pouco teatral. O próprio autor não gostava e, sobretudo, não acreditava que funcionaria no palco.

O que tornou "Morte e Vida Severina" uma obra tão memorável desde que estreou em 1965, para a surpresa do poeta, foram as melodias de Chico Buarque, então iniciante mas que, chamado a musicá-los, descortinou nos versos um apelo popular que eles não mostravam.

A encenação de Elias Andreato, um diretor de espetáculos de câmara, singelos retratos de grandes escritores, resgata ou privilegia João Cabral sobre Chico. Busca a secura, não o gosto popular, até pelo contrário.

Acentua a essência formal "severina", em lugar da fluidez musical. Resulta seco e áspero, não parecendo visar grande público.

Por outro lado, não se trata hoje do mesmo contexto, os maiores conflitos da região e do país não se dão em torno da seca, e a montagem não busca uma atualização, o que a distancia mais do público.

É bastante reverente e explora a fundo o texto, em muitas passagens. Percebe-se força no espetáculo: não à toa, a explosão de aplausos, quando acontece, é para o coro de mulheres e as protagonistas que saem dele, de tempos em tempos.

Para além da consistência formal, sobressai então uma grandeza na Mulher da Janela de Badú Morais, com um bem-vindo alívio cômico, e nas ciganas de Patricia Gasppar e Andrea Bassitt, cantando como não se conhecia até então.

De maneira geral, a dignidade e a paixão femininas percorrem a apresentação.

Nem tanto, porém, no quadro com a canção mais conhecida, "Funeral de um Lavrador", protagonizado por Jana Figarella. Irrompe em cena uma rebelião fotográfica, semblantes cerrados, um espasmo revolucionário que até constrange, em produção tão intimista.

O despojamento cênico, com bancos no palco para os atores que estão fora da ação, acentua o que parece ser antes de mais nada uma resistência ao próprio gênero musical, ao espetáculo. Perde-se a trama, o engajamento da plateia com a história.

Mas um grande sol, esturricado, marca belamente a última criação de Elifas Andreato para o palco, ele que morreu dias antes da estreia.

MORTE E VIDA SEVERINA

Avaliação Bom

Quando 16/4 a 26/6 (Sex. e sáb., às 21h, e dom., às 19h)

Onde Tuca - R. Monte Alegre, 1.024, Perdizes

Preço R$ 80 a R$ 100

Direção Elias Andreato

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos