Morre Luiz Alberto Mendes, autor do livro 'Memórias de um Sobrevivente'

***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, BRASIL, 2-2-2017 - VOLTA POR CIMA - 11:14:43 - O zagueiro do Paulista que usou documentos falsos para participar da Copa Sao Paulo e foi descoberto ganhou uma nova chance e foi contratado por Vampeta para jogar no Audax. MC Beijinho, que esta fazendo sucesso com a mÏsica Libera Nega, foi preso roubando celular na praia, mas acabou descoberto por uma gravadora e agora esta fazendo sucesso na musica. Luiz Alberto Mendes cumpriu 31 anos de pena no Carandiru e se transformou em escritor. Diz que a literatura o libertou. Hoje tem varios livros publicados e da palestras e oficinas literarias. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O escritor Luiz Alberto Mendes, que foi internado em uma UTI no dia 1º de abril após um aneurisma, morreu, aos 68 anos, nesta quarta-feira (8).

Mendes é autor dos livros "Memórias de um Sobrevivente" (2001), "Às Cegas" (2012) e "Confissões de um Homem Livre" (2015). O primeiro é sua obra mais famosa, publicado enquanto ainda estava na cadeia, o livro narra histórias vividas por ele ao longo dos 31 anos e dez meses em que esteve preso, condenado pelos crimes de homicídio e roubo.

"Fui processado 47 vezes e condenado 19 vezes", escreveu Mendes ao jornal Folha de S.Paulo, em 2015. "Sobrevivi graças aos livros. Na prisão, descobri que não se morre só da vida. Você pode morrer dos seus sentimentos, e o sentimento do malandro está na sola do pé, para ser pisado em cima."

Preso aos 19 anos, Mendes, que na época mal sabia escrever, ganhou o interesse pela literatura dentro da cadeia. "Eu fui criado em Juizado de Menores, em institutos. Não gostava de livro, nosso negócio era roubar, matar, fazer desgraça", disse ele ao jornal Folha de S.Paulo em 2001. Foi um amigo, na cadeia, que o fez ganhar interesse pela leitura.

Anos mais tarde, no Carandiru, ele conheceu o médico Drauzio Varella, que além de ter sido jurado em um concurso de artes cujo Mendes foi o vencedor, em 1999, dentro da penitenciária, foi responsável por apresentá-lo à editora Companhia das Letras, que publicou seu primeiro livro enquanto ele ainda cumpria a pena.

A editora postou um texto no Instagram em sua homenagem nesta quinta-feira (9).tdra