Morre Kaká di Polly, drag queen que deitou na Paulista para a 1ª parada gay passar

Ela ganhou fama na noite paulistana nos anos 1990

Kaká di Polly foi uma ícone da comunidade LGBTQIA+ no Brasil (foto: reprodução/instagram @robertomaframaframafra
Kaká di Polly foi uma ícone da comunidade LGBTQIA+ no Brasil (foto: reprodução/instagram @robertomaframaframafra

Resumo da Notícia:

  • Kaká di Polly deitou na Avenida Paulista para a Parada Gay passar

  • Ela ganhou fama na noite paulistana na década de 90

  • Militante, Kaká era um nome forte e ativo na causa LGBTQIA+

Morreu nesta segunda-feira (23) um dos maiores ícones LGBTQIA+ do Brasil, a drag queen Kaká di Polly. A artista ganhou destaque nacional em 1997 quando deitou em plena avenida Paulista para interromper o trânsito e a primeira parada do orgulho gay desfilar.

A notícia da morte foi compartilhada nas redes sociais por pessoas próximas à artista e confirmada pelo Guia Gay São Paulo e pelo produtor Roberto Mafra. “Um novo ciclo está começando em sua vida, Kaká Alberto Polycarpo, que os anjos a recebam com muito amor. Comunico a todos, todas e todes a partida de Kaká”, escreveu nas redes sociais.

Ele completou falando sobre o estado de saúde da transformista, que vinha se debilitando nos últimos meses: “Kaká estava internada há alguns dias devido à queda em uma escada e foi dentro da máquina de ressonância que teve a parada cardíaca!”

Ela fez sua carreira nos palcos das diversas boates de São Paulo nos anos 1990 e 2000 e marcou o público por seu estilo debochado e provocativo. “Mês passado, no lançamento do meu livro, (ela) gritou de cima do palco: ‘Até pra me esquecer, vocês vão ter de lembrar de mim’. E nós vamos lembrar”, escreveu Chico Felitti no Twitter.

Veja outros lamentos: