Morre Joan Didion, escritora pioneira do jornalismo literário, aos 87 anos

·2 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A escritora Joan Didion, uma das precursoras do que se convencionou chamar de jornalismo literário, morreu nesta quinta-feira (23), aos 87 anos. Segundo sua editora nos Estados Unidos informou ao jornal The New York Times, a causa foi a doença de Parkinson.

A autora despontou como uma ensaísta ferina da cultura e do comportamento americano no pós-guerra, atenta à dissolução de uma certa identidade e interessada nos movimentos que estavam em ascensão —basta notar que dois de seus grandes ensaios giram em torno do líder dos Panteras Negras, Huey Newton, e sobre a música da banda The Doors.

Sua carreira germinou e foi alavancada em publicações voltadas a mulheres, como a antiga Mademoiselle, e veículos tradicionais como a revista Life, onde produziu artigos jornalísticos com traços literários inconfundíveis ao mesmo tempo em que despontava outros grandes autores como Gay Talese e Hunter S. Thompson.

Didion vivia um grande momento no mercado editorial brasileiro, com seu livro de estreia "Rastejando Até Belém" tendo sido publicado este ano pela primeira vez pela Todavia, meio século depois de sua edição original.

Outros dois de seus clássicos, "O Ano do Pensamento Mágico", de 2005, em que reflete sobre a morte do marido já em uma idade avançada, e "O Álbum Branco", de 1979, que reúne alguns de seus principais ensaios sobre a cultura americana, foram publicados pela HarperCollins.

A HarperCollins se prepara para adicionar mais três obras da autora ao seu catálogo. Já em 2022, saem "South and West", de 2018, e "Let Me Tell You What I Mean", publicado nos Estados Unidos este ano e que se tornou o livro derradeiro de Didion.

Em seguida, a editora lança um volume que reúne sete livros da escritora: "Salvador", "Miami", "After Henry", "Ficções Políticas", "Where I Was From" e os já mencionados "Rastejando Até Belém" e "O Álbum Branco".

Era uma marca de Didion se colocar em seus textos como personagem, sem apelar tanto à primeira pessoa a ponto de suas investigações se tornarem mais sobre ela mesma que sobre as tendências culturais que queria colocar em evidência.

É possível acompanhar todos os passos da autora em seu ensaio "John Wayne: Uma Canção de Amor", por exemplo, mas ele nunca deixa de ser sobre John Wayne.

Além desses trabalhos consagrados em não ficção, Didion também escreveu romances como "Play It as It Lays" e "A Book of Common Prayer", nos anos 1970, uma faceta de sua obra ainda pouco conhecida no Brasil.

De quebra, a autora ainda teve sucesso como roteirista de filmes como "Os Viciados", que projetou Al Pacino em 1971, a terceira versão de "Nasce uma Estrela", com Barbra Streisand em 1976, e a comédia romântica "Íntimo & Pessoal", com Michelle Pfeiffer e Robert Redford em 1996. Todos foram trabalhos em parceria com seu marido, o também jornalista John Gregory Dunne.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos