Morre Joan Didion, escritora pioneira do jornalismo literário, aos 87 anos

·1 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A escritora Joan Didion, uma das precursoras do que se convencionou chamar de jornalismo literário, morreu nesta quinta-feira, aos 87 anos. Segundo sua editora nos Estados Unidos informou ao jornal The New York Times, a causa foi a doença de Parkinson.

Didion vivia um grande momento no mercado editorial brasileiro, com seu livro de estreia "Rastejando Até Belém" tendo sido publicado por aqui pela primeira vez pela Todavia, meio século depois de sua edição original.

Outros dois de seus clássicos, "O Ano do Pensamento Mágico", em que reflete sobre a morte do marido, e "O Álbum Branco", que reúne alguns de seus maiores ensaios sobre a cultura americana, foram publicados pela HarperCollins.

A autora despontou como uma ensaísta ferina do comportamento dos Estados Unidos no pós-guerra, em revistas tradicionais como a Life, produzindo artigos jornalísticos com traços literários inconfundíveis ao mesmo tempo que outros grandes autores como Gay Talese e Hunter Thompson.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos