Gal Costa: fotos e momentos marcantes da carreira de 57 anos

Morreu nesta terça-feira (9) a cantora Gal Costa, aos 77 anos. Ícone da Música Popular Brasileira (MPB), artista não pôde se apresentar recentemente no festival Primavera Sound São Paulo por conta de uma cirurgia na garganta. A notícia da morte foi confirmada pela assessoria de imprensa da artista.

Gal começou a cantar em 1965 ao interpretar músicas de Caetano Veloso e Gilberto Gil. À época ela se chamava Maria da Graça e lançou “Eu Vim da Bahia”, um samba de Gilberto sobre a origem da artista e do compositor que se tornou um grande sucesso.

Cancelamento de shows

A cantora era uma das atrações do festival Primavera Sound, que aconteceu em São Paulo no último fim de semana, mas teve sua participação cancelada de última hora.

De acordo com a equipe da própria Gal Costa, ela precisava se recuperar após a retirada de um nódulo na fossa nasal direita e ficaria fora dos palcos até o final de novembro, seguindo recomendações médicas.

A cirurgia ocorreu em setembro, pouco após sua apresentação em outro festival de música em São Paulo, o Coala. De lá para cá, ela não havia voltado a se apresentar, mas já tinha datas de shows da turnê As Várias Pontas de uma Estrela marcadas para dezembro e janeiro.

Políticos comentam

O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), falou que Gal Costa "foi das maiores cantoras do mundo" e "marcou a vida de milhões de brasileiros". "Gal Costa foi das maiores cantoras do mundo, das nossas principais artistas a levar o nome e os sons do Brasil para todo o planeta. Seu talento, técnica e ousadia enriqueceu e renovou nossa cultura, embalou e marcou a vida de milhões de brasileiros", publicou.

"O Brasil perde Gal Costa. Compositora, cantora e uma das vozes mais expressivas da Música Popular Brasileira. Em nome do Congresso Nacional, presto meus sentimentos aos familiares, amigos e fãs neste triste dia para a cultura nacional", falou Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do Congresso Nacional.

A deputada federal eleita Marina Silva (Rede-SP) disse que a artista tem um significado especial para ela. "Com seu talento, colocou sorrisos em muitas caras e seu legado permanecerá fazendo isso. Que Deus console seus familiares e amigos nesse momento tão difícil", declarou a ex-ministra.

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) classificou Gal Costa como "uma das maiores cantoras da nossa história". "Eu sinto imensamente a tristeza de ver essa grande estrela nos deixar justo agora, no instante em que recobramos a esperança de dias melhores", falou.

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), contou que conseguir assistir a um show da cantora há pouco tempo. "Um dos maiores nomes da MPB se foi. Que tristeza é a partida de Gal Costa para nós que somos fãs, mas também para toda cultura brasileira! Pude vê-la recentemente, em seu último show aqui, encantadora como sempre. Que Deus a receba e conforte sua família, amigos e legião de fãs", escreveu.

Famosos lamentam

Na Globonews, Adriana Calcanhotto disse que é difícil encontrar palavras para explicar o que Gal Costa representa para a música brasileira. A cantora lembrou seu primeiro encontro com a veterana e exaltou sua entrega nos palcos. "Ela virava uma onça, um bicho contagiante, comovente. Muito carinho. A relação com os compositores, com Caetano. Ela sendo a voz dele, e ele a voz dela nas canções", elogiou.

A apresentadora Fátima Bernardes relembrou momentos da artista no "Encontro" e escreveu que é difícil aceitar sua partida. "Que tristeza! A morte da Gal Costa é difícil demais de aceitar. Uma diva. Uma voz que deixar o amor ainda mais bonito. Estamos todos hoje culturalmente mais pobres", publicou.

Em vídeo enviado ao G1, Maria Bethânia se mostrou chocada. "Triste demais, difícil demais. Eu nunca achei que chegaria a falar pra vocês sobre a dor de perder a Gal. O Brasil que ela encantou com sua voz, hoje chora. Minha amiga que mesmo longe sempre mantive admiração e respeito. Deus a receba na sua mais pura grandeza. É difícil demais, é triste demais", disparou a cantora.

Lulu Santos também não demorou para expressar sua tristeza. O cantor publicou uma foto ao lado de Gal no "The Voice Brasil" e confessou que está em choque com a notícia. "Sua voz, nossa vida. Obrigada, Gal. Ainda em choque e incrédulo. Perdemos tanto, todos. Sua voz ganha a eternidade e nosso amor e dedicação imorredouros", escreveu.

Veja a biografia de Gal Costa

Nascida Maria da Graça Costa Penna Burgos em Salvador, na Bahia, em 1945, Gal Costa sempre foi incentivada pela mãe a seguir carreira na música. Já o pai, morto em sua adolescência, foi uma figura ausente.

No começo da vida adulta, ela trabalhou como balconista de uma loja de discos na capital baiana, a Roni Discos, uma das principais da cidade. No início dos anos 1960, foi apresentada a Caetano Veloso, encontro a partir do qual foi criado um vínculo pessoal a artístico que perduraria até sua morte.

Gal foi uma revolução das vozes e dos costumes na música brasileira desde seu surgimento na cena nacional, nessa mesma década

Aproximou-se ainda adolescente aos também baianos Caetano Veloso, Maria Bethânia e Gilberto Gil, com quem integraria o grupo conhecido como Doces Bárbaros, responsável mais tarde por um disco definidor da década de 1970.

Tinha ainda pouco mais de 20 anos quando participou do álbum "Tropicália ou Panis et Circencis", pedra fundamental do movimento tropicalista. Logo depois, em 1971, fez um dos espetáculos de maior repercussão da história da MPB, "Fa-Tal", que viraria também um álbum cultuado.

Em 1977, o LP "Caras e bocas", que incluiu a canção "Tigresa", do cantor Caetano Veloso, marcou sua carreira pelas excelentes críticas. Em 1980, ganhou seu terceiro Disco de Ouro, com o LP "Aquarela do Brasil", no qual gravou somente músicas de Ary Barroso.

A partir da segunda metade dos anos 1990, Gal Costa passou a reler suas antigas gravações.

(Com informações da Folha de São Paulo)