Morre Francisco Carlos, dramaturgo amazonense autor de 'Jaguar Cibernético'

·1 minuto de leitura
*** FOTO DE ARQUIVO *** SÃO PAULO, SP, 14.07.2016: TEATRO-SP - O dramaturgo Francisco Carlos na pré-estreia do espetáculo
*** FOTO DE ARQUIVO *** SÃO PAULO, SP, 14.07.2016: TEATRO-SP - O dramaturgo Francisco Carlos na pré-estreia do espetáculo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Morreu nesta quinta-feira (17) o dramaturgo e diretor amazonense Francisco Carlos, aos 63 anos, no Rio de Janeiro. A morte foi confirmada por sua amiga Majeca Angelucci, atriz, de 53 anos.

O artista foi encontrado morto na manhã desta sexta na casa de Roberta Salgado, onde estava morando temporariamente. O filho de Salgado, César Oticica, de 52 anos, diz que a suspeita é de um infarto fulminante.

Carlos já dirigiu mais de 40 peças de sua autoria - que inclui textos como "Banana Mecânica", "Namorados da Catedral Bêbada" e a sua chamada tetralogia canibal, "Jaguar Cibernético"- além de shows e óperas. Ele também foi destaque da 20ª edição do Festival de Teatro de Curitiba, um dos maiores eventos do setor no país.

O artista, que era formado em filosofia pela Universidade do Amazonas, ficou conhecido por retratar em suas obras figuras mitológicas da cultura brasileira, sobretudo de povos indígenas, e embates entre diferentes etnias.

"Meu teatro representa aquele que não é o eu, o ego, branco, ocidental, normal. Eu uso a arte para apresentar o outro", disse Carlos em entrevista à Folha, em 2011.

"A obra dele é algo monumental. Além de dramaturgo, era escritor e pesquisador", diz Angelucci. "Eu fui curadora de várias mostras que ele participou e posso dizer que quando o conheci fiquei inacreditada com todo aquele talento."

O amazonense deixa uma irmã e uma sobrinha. Seu corpo será levado a Manaus, no Amazonas, para ser velado pelos familiares, informou Oticica.