Morre Claudio Willer, poeta e tradutor ligado à geração beat e ao surrealismo

***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, BRASIL. 27-06-2013: O poeta e tradutor Cláudio Willer, durante entrevista sobre os jovens: geração beat, anarquistas e o recente movimento de jovens que mobilizou o país acontece, na PUC, em São Paulo (SP). (Fotos: Victor Moriyama/Folhapress)
***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, BRASIL. 27-06-2013: O poeta e tradutor Cláudio Willer, durante entrevista sobre os jovens: geração beat, anarquistas e o recente movimento de jovens que mobilizou o país acontece, na PUC, em São Paulo (SP). (Fotos: Victor Moriyama/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O poeta, ensaísta e tradutor Claudio Willer morreu nesta sexta-feira (12), em São Paulo, aos 82 anos, de complicações causadas por um câncer na bexiga.

Ele estava internado em uma instituição para idosos no bairro do Brooklin e vinha tendo problemas de saúde há alguns meses.

Considerado uma figura importante na contracultura brasileira, Willer era especialista na geração beatnik e no surrealismo, que produziram uma "criação literária mais rebelde e transgressiva", como ele definiu.

"Tomando a liberdade como valor fundamental, identifico-me como anarquista. A liberdade não é um valor, é uma prática. Sou também antipartidário, na medida em que a representação extra-partido traz mais resultado pois escapa da instrumentalização e do aparelhamento", disse ele à Folha em 2013.

Tinha doutorado em letras pela USP e também era formado em sociologia e psicologia. Traduziu Lautréamont, Allen Ginsberg, Jack Kerouac e Antonin Artaud e publicou diversos livros, dentre os quais "Os Rebeldes: Geração Beat e Anarquismo Místico", de ensaios, "Dias Ácidos, Noites Lisérgicas", de crônicas, e "Anotações para um Apocalipse", de poesia.

Ele foi presidente da União Brasileira de Escritores por quatro mandatos. Também foi assessor na Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, onde ficou responsável por cursos, oficinas literárias, ciclos de palestras e leituras de poesia, entre 1994 e 2001.

Ele ganhou um documentário em curta-metragem sobre sua vida, "A Propósito de Willer", dirigido por Priscyla Bettim e Renato Coelho.