Morre Charles Simic, poeta americano vencedor do Pulitzer, aos 84 anos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Charles Simic, poeta americano vencedor do prêmio Pulitzer, morreu aos 84 anos. Sua morte foi confirmada nesta segunda-feira (9) por Dan Halpern, editor executivo da Alfred A. Knopf. A causa da morte e outros detalhes ainda não foram divulgados.

Simic publicou mais de 30 livros de poesia e atuou como editor, ensaísta e tradudor de poetas da França, da Croácia, da Sérvia e de outros países. Era colaborador de revistas como The New York Review of Books e The New Yorker.

Charles Simic nasceu em 1938 na Iugoslávia com o nome Dusan Simic. Com a ocupação de seu país pelo Eixo durante a Segunda Guerra Mundial, Dusan e sua família tiveram que fugir para os Estados Unidos. Segundo Simic, Hitler e Stálin foram seus agentes de viagem.

Já nos Estados Unidos, Dusan teve seu nome alterado para Charles e a família passou a morar em Chicago. Estudou na mesma escola que o escritor Ernest Hemingway e passou a se interessar pela escrita. Seus pais não conseguiam pagar uma faculdade, mas Simic assistiu a aulas noturnas na Universidade de Chicago enquanto trabalhava em cargos menores no jornal The Chicago Sun-Times.

Em 1958, se mudou para Nova York, onde conciliou trabalhos variados com a escrita de poesia. Publicou aos 21 seus primeiros poemas na Chicago Review. Em 1961, teve que prestar serviço militar e por dois anos serviu na Alemanha e na França. A experiência afetou sua arte, que voltou mais amadurecida e menos "literária".

Em 1964, casou com a designer de moda Helen Dubin, com quem teve Anna e Philip. Em 1966, se graduou na Universidade de Nova York. No ano seguinte, publicou seu primeiro livro, "What the Grass Says".

O poeta deu aulas na Universidade de Nova Hampshire por mais de três décadas. Em 1990, ganhou o prêmio Pulitzer pelo livro "The World Doesn't End". Foi o poeta laureado dos Estados Unidos entre 2007 e 2008 --cargo de poeta oficial do país, responsável por incentivar a escrita e a apreciação de poesia.

"Estou particularmente tocado e honrado por ter sido escolhido porque sou um garoto imigrante, que não falava inglês até os 15 anos", disse na época.