Morre Arata Isozaki, oitavo arquiteto japonês a vencer o Pritzker, aos 91 anos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS0 - Arata Isozaki, japonês que venceu o prêmio de arquitetura Pritzker em 2019, morreu nesta quarta-feira (28) de causas naturais. O arquiteto tinha 91 anos e estava na sua casa em Okinawa, no sul do Japão, segundo o comunicado público emitido pela esposa Misa Shin.

Reconhecido como mestre e pensador da arquitetura japonesa, Isozaki se destacou desde os anos 1960, não apenas por seus projetos construídos, como também por sua obra teórica sobre intersecções da tradição budista e xintoísta com o pensamento moderno ocidental.

Foi o oitavo japonês a receber o Pritzker, apelidado de Nobel da arquitetura. O prêmio é entregue desde 1979 a profissionais vivos pelo conjunto de sua obra.

Em sua justificativa, o Pritzker disse em 2019 que Isozaki "vai além da estrutura da arquitetura e levanta questões que transcendem eras e fronteiras".

A primeira obra do japonês no exterior foi o Moca, Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles, construído entre 1981 e 1986.

Participou também da preparação de Barcelona para receber os Jogos Olímpicos de 1992, projetando o ginásio de Montjuic, o Palau Sant Jordi.

Um dos seus designs para o oriente médio foi o Centro de Convenções do Catar, na capital Doha, onde estruturas parecidas com as árvores suportam o prédio.

Embora não tenha trabalhado no Brasil, Isozaki fez um projeto para o edifício do MAC (Museu de Arte Contemporânea) de São Paulo, mas o concurso, feito em 2001, preferiu o trabalho do suíço Bernard Tschumi.