Morre aos 76 anos o artista contemporâneo francês Christian Boltanski

·1 minuto de leitura
(Arquivo) Christian Boltanski em 26 de junho de 2014 em Santiago de Compostela

Christian Boltanski, um dos principais artistas franceses contemporâneos, morreu aos 76 anos, informou nesta quarta-feira (14) Bernard Blistène, ex-diretor do centro Pompidou de Paris, que dedicou uma exposição a ele em 2020.

"Ele morreu esta manhã no hospital Cochin (em Paris), onde estava há alguns dias. Estava doente. Era um homem discreto, ocultou as coisas o tempo que pôde", declarou à AFP Blistène, confirmando uma informação do jornal francês Le Monde.

Autodidata, o artista plástico e fotógrafo, marcado pelo Holocausto na infância, trabalhou a vida toda com a ausência, o desaparecimento e a preocupação universal sobre a morte.

Durante muito tempo foi companheiro de Annette Messager, outra artista plástica renomada.

Boltanski se considerava um artesão da memória que lutou "contra o esquecimento e o desaparecimento" por meio de obras que misturavam objetos variados, vídeos, fotografias e instalações.

Filho de um médico judeu de origem ucraniana e de uma francesa católica natural de Córsega, Christian-Liberté Boltanski nasceu em 6 de setembro de 1944. Durante a ocupação nazista, sua mãe doente com poliomelite escondeu seu pai. Ele simularam um divórcio e uma suposta partida do pai de Paris.

Entre seus grandes projetos, destaca-se aquele no qual reuniu em uma ilha japonesa as batidas de 75.000 corações e outro no qual tentou falar com as baleias da Patagônia.

Em 2020, o Centro Pompidou o consagrou uma exposição concebida como uma gigantesca obra única.

pgr/may/cal/mar/mb/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos