Monica Iozzi desabafa: "A gente vai viver na barbárie"

Bárbara Saryne
·2 minuto de leitura
A apresentadora refletiu sobre os últimos acontecimentos (Foto: Reprodução/Instagram/@monicaiozzi)
A apresentadora refletiu sobre os últimos acontecimentos (Foto: Reprodução/Instagram/@monicaiozzi)

Monica Iozzi pensou em fazer uma live para falar sobre seus projetos profissionais, mas mudou de ideia quando leu que um funcionário do Carrefour morreu dentro da loja e teve seu corpo escondido com guarda-sóis. A atriz ficou chocada com o descaso da rede de supermercados e resolveu falar sobre o assunto com seus seguidores.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

“As pessoas responsáveis por essa loja decidiram cobrir o corpo sem vida e continuar com as atividades normalmente. Tem relatos que dizem que o corpo ficou lá por três, quatro horas. Que fosse meia hora, dez minutos. Vocês chegaram a ver as imagens? Tô aqui pra dividir com vocês a minha total e completa indignação. O que está acontecendo?”, questionou a artista.

Leia também

Muito angustiada, Monica citou a menina de 10 anos que engravidou após ser estuprada pelo tio e afirmou que já passou da hora de os brasileiros se mobilizarem. “Que momento é esse de barbárie que estamos vivendo? Total desprezo pela vida humana! [...] Além da pandemia, da falta de empenho e responsabilidade do governo, o que está acontecendo? Até onde a gente vai deixar isso chegar? O que vamos fazer para essa série de acontecimentos cessar? Até quando vamos aceitar e normalizar acontecimentos como esse?”, disparou a global.

Durante a live, Iozzi falou sobre fake news, isolamento social e a importância da ciência. Algumas pessoas comentavam que votarão em Jair Bolsonaro (sem partido) em 2022, mas isso não incomodou a atriz. “Acho uma pena. Vou convidar vocês a continuarem aqui. A ideia não é o ódio. É falar sobre fatos, ações do governo, dados da ciência. Essa paixão não vai levar a gente a lugar nenhum. Quem sabe você não repensa? Não teremos só o Bolsonaro na eleição. O que mais quero é falar com as pessoas que votaram nele”, argumentou ela.