Fogo, revolta e fúria: Os protestos nos EUA após morte de homem negro causada pela polícia

Reuters

Pela segunda noite, manifestantes entraram em atrito com um batalhão de choque que disparou gás lacrimogêneo na cidade norte-americana de Mineápolis na quarta-feira (27), um extravasamento da raiva causada pela morte de um homem negro que um vídeo de grande circulação mostra lutando para respirar, enquanto um policial branco pressiona seu pescoço com um joelho.

No vídeo, gravado por um observador do encontro fatal entre a polícia e George Floyd, de 46 anos, na segunda (25) à noite, este é visto de rosto no chão, algemado, gemendo e dizendo várias vezes “por favor, não consigo respirar” até parar de se mexer. 

Frame do vídeo que ostra um policial de Minneapolis pressionando o joelho no pescoço de George Floyd.

O segundo dia de manifestações, acompanhado de saques e vandalismo, começou horas depois de o prefeito Jacob Frey exortar procuradores a apresentar queixas criminais contra o policial branco.

Floyd, que estava desarmado e supostamente era suspeito de ter tentado passar notas falsas em um restaurante próximo, foi retirado de ambulância do local de sua detenção e declarado morto em um hospital na mesma noite.

O policial que aparece ajoelhado sobre o pescoço da vítima e três colegas envolvidos foram demitidos pelo departamento de polícia na terça-feira, e o FBI iniciou uma investigação.

Na noite de quarta, centenas de manifestantes, muitos com os rostos cobertos, tomaram as ruas dos arredores da terceira delegacia de polícia, a cerca de 800 metros do local em que Floyd foi detido, bradando “Sem justiça, sem paz” e “Não consigo respirar”.

Protestos continuam pelos segundo dia seguido após a morte de George Floyd.

A multidão somava milhares ao cair da noite, e o protesto se transformou em um impasse diante da delegacia, onde policiais com equipamento de choque formaram barricadas enquanto manifestantes os provocavam por trás de suas próprias barricadas improvisadas.

Os policiais, alguns deles posicionados no telhado, usaram gás lacrimogêneo, balas de borracha e...

Continue a ler no HuffPost