Ministério da Saúde alerta para lista de fake news sobre coronavírus; veja a lista

(Thai Government Spokesman's office via AP)

O Ministério da Saúde identificou, através de seus canais nas redes sociais, diversas fake news propagadas sobre o novo coronavírus, que já deixou 170 mortos na China e mais de 7.711 infectados em todo o mundo. Entre os boatos replicados na internet, está a recomendação do consumo de chá de erva doce e sucos de acerola e laranja para se proteger da doença, que ainda não chegou ao Brasil, pelo Hospital das Clínicas de São Paulo.

Segundo a mensagem distribuída em grupos de WhatsApp, a erva teria a mesma substância que o medicamento Tamiflu e, por isso, deveria ser consumida duas vezes ao dia, sempre após as refeições, "como se fosse café". A pasta desmentiu que o chá contenha fosfato de oseltamivir, princípio ativo do remédio.

Leia também

Outro texto reproduzido nos aplicativos de mensagens acusa o governo brasileiro de "esconder os números" da "epidemia que está ocorrendo aqui e no mundo". Segundo o boato, oito cidades do Brasil estariam sob quarentena, a exemplo da província de Hubei, na China, e 41 pessoas já teriam morrido em decorrência do novo coronavírus. Os infectados estariam na casa dos 600 e outros 40 mil pacientes estariam sob suspeitas.

Conforme divulgado na última quarta-feira pelo próprio Ministério da Saúde, o Brasil tem apenas nove casos suspeitos e nenhuma infecção confirmada. Portanto, não há nenhum registro de morte, tampouco de municípios em quarentena. As vítimas são monitoradas a todo o momento e estão isoladas em hospitais.

Uma foto de uma performance artística representando 528 vítimas do campo de concentração nazista Katzbach, em Frankfurt, no ano de 2014, acabou compartilhada na internet como um registro de corpos empilhados em uma rua chinesa, o que indicaria um cenário muito pior do que o divulgado pelo governo de Pequim.

Um quarto rumor relaciona a epidemia ao consumo de sopas de morcego na China. Embora haja suspeita de que o vírus tenha sido transmitido pelo consumo de animais selvagens, não há comprovação científica de que morcegos sejam de fato o hospedeiro natural. Outras espécies ainda estão sendo investigadas e as fotos reproduzidas no WhatsApp, segundo o boatos.org, foram publicadas por uma influenciadora digital há quatro anos.

Nem mesmo a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) escapou das fake news. Uma mensagem apócrifa afirma que pesquisadores da instituição confirmaram a capacidade de dano neurológico do coronavírus. Entre os efeitos deletérios estariam a perda de memória, confusão mental, dificuldade motora e até coma. Como lembrou o Ministério da Saúde em seu site, o novo vírus sequer foi isolado no Brasil e não há indícios de que ele cause prejuízos ao cérebro.

Da AGÊNCIA O GLOBO