Mindful eating: como usar a mente para comer melhor

Preste atenção no que come: é um passo importante para a vida saudável (Foto: Getty Images)

Por Natália Leão (@natileao_)

O que você comeu no almoço de ontem? Se não consegue se lembrar, é muito provável que tenha engolido a comida sem a menor atenção, com pressa e talvez até com um olho nas redes sociais.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Qual o problema disso? Todos! Isso faz mal para sua saúde física (alô, dor de estômago, refluxo, anemia e obesidade) e mental. Comemos com descaso, comemos demais, ou de menos, entramos e saímos de dietas restritivas semanalmente e desenvolvemos uma relação negativa com a comida.

Não se culpe, isso é um mal do nosso tempo. Mas pode existir um caminho saudável para fora desse ciclo. O nome dele é mindful eating.

O que é?

“O mindful eating é uma prática que nasceu do mindfulness (estar intencionalmente presente e sem julgamentos)”, explica a nutricionista e autora do livro ‘Mindful Eating’ comer com atenção plena, Cynthia Antonaccio.

Ele não é uma dieta - está mais para uma não-dieta -, nem uma receita para emagrecer (embora, esse possa ser um dos resultados). “É o ato de comer com atenção plena, sem julgamentos, com presença, de forma conectada com o alimento desde seu preparo até o momento da refeição. É uma nova abordagem que tem se mostrado efetiva no resgate da boa relação com a comida”, explica.

Saiba mais: Como acelerar o metabolismo e outros mitos e verdades

Para aderir, não é preciso descartar todos seus hábitos alimentares. “A ideia é começar exatamente de onde você está agora, despertar sua atenção, observar seus padrões e preferências, emoções e dificuldades em relação à comida... Só você pode reconhecer o que e como mudar, assumir a responsabilidade pelas suas escolhas.”

Como praticar?

O mindful eating é bastante simples na teoria, mas desafiador na prática. Para começar, tente esses 5 passos ensinados pela nutricionista:

  • Saia do piloto automático, pare, observe e sinta cores, aromas, texturas, temperaturas.

  • Procure suas reais motivações para comer (e não julgue como boas ou más). Nem sempre comemos para satisfazer a fome. Comemos com os olhos, com o olfato, e com as emoções também. Não tem certo ou errado.

Saiba mais: 6 alimentos ‘saudáveis’ que não fazem bem à saúde

  • Reflita sobre quais situações na rotina fazem você se descompensar durante a alimentação (o que aconteceu naquele momento que fez você comer sem perceber? Comeu rápido por falta de tempo ou ansiedade? O que estava em sua mente e seu coração?).

  • Resgate a percepção negligenciada da fome e da saciedade (para isso é preciso destinar tempo à refeição).

  • Entenda a diferença entre satisfação (feliz por comer o que queria) e saciedade (feliz por ter resolvido sua fome). Compreenda que o ideal é termos os dois, mas não julgue quando isso não acontecer.

Por exemplo: pão de queijo na estrada era o que tinha e matou a fome, mas não era o que você queria ou não era a opção mais nutritiva? OK, sem julgamentos.

Assista a seguir: Como Jojo Todynho emagreceu 14 kg?