Michael B. Jordan e Jamie Foxx atacam condenações injustas e racismo em novo filme "Luta por Justiça"

Por Nichola Saminather

Por Nichola Saminather

TORONTO (Reuters) - Os atores Michael B. Jordan e Jamie Foxx, vencedor do Oscar, atacam condenações injustas e racismo no novo filme "Luta por Justiça", que estreou sexta-feira no Festival Internacional de Cinema de Toronto.

Jordan interpreta o ativista e advogado norte-americano de direitos civis Bryan Stevenson no filme baseado no livro "Compaixão: Uma História de Justiça e Redenção", publicado por Stevenson em 2014.

O filme conta a história real da luta de Stevenson para libertar Walter McMillian (Foxx) do corredor da morte após ele ter sido acusado injustamente.

"Como um homem negro, nossas comunidades foram atacadas e ser capaz de fazer minha parte e usar minha plataforma para divulgar esta história é muito importante para mim", disse Jordan à Reuters no tapete vermelho em Toronto.

O filme mostra o esforço de Stevenson para percorrer o pântano político e legal que colocou McMillian, condenado pelo assassinato de uma balconista branca, no corredor da morte por seis anos no Alabama, e para combater o viés racial que manteve ele, e outros como ele, naquela situação. Ele foi eventualmente libertado quando sua condenação foi revertida por um tribunal do Alabama em 1993. 

"Bryan Stevenson, assim que o conheci, realmente se tornou o coração e a alma de toda a produção", disse na sexta-feira o diretor Destin Daniel Cretton, que também co-escreveu o roteiro. "Ele é um dos seres humanos mais incríveis que já conheci." 

A atriz Brie Larson, ganhadora do Oscar de Melhor Atriz por "O Quarto de Jack", interpreta Eva Ansley, diretora de operações da Equal Justice Initiative, de Stevenson.