Mesmo debaixo de chuva, Anitta arrasta multidão e lota Ibirapuera em SP

SÃO PAULO, SP, 01.03.2020 - BLOCO ANITTA - Apresentação e movimentação do público durante o Bloco da Cantora Anitta em São Paulo no entorno do Parque do Ibirapuera, neste domingo (01) . (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Mesmo debaixo de chuva fina, que obrigou parte do público a usar capa de chuva e guarda-chuva no início do show, a cantora Anitta conseguiu arrastar uma multidão de fãs e lotar o parque Ibirapuera na manhã deste domingo (01) de pós-Carnaval, em São Paulo.

Vestida de mico-leão-dourado, fantasia com o tradicional espaço para deixar o bumbum aparente, a cantora usou um repertório repleto de samba e muito funk.

“Este é meu primeiro dia de Carnaval. Os outros dias eu estava trabalhando, agora, estou curtindo com vocês”, brincou ela, que fechou neste domingo uma maratona de 14 shows pelo país.

A fantasia também inspirou parte do público, entre eles o supervisor de vendas Everton Santos, 22, que vestiu-se de panda de bumbum de fora. O paulistano chamava a atenção com seu modelito e seus quase dois metros de altura. “Já nem conto mais em quantos shows eu já fui dela”, disse ele.

Nem os organizadores nem a Polícia Militar de São Paulo fizeram estimativa de público. Visualmente, o bloco de Anitta conseguiu arrastar um público maior do que o ex-Ciclete com Banana Bell Marques, que, no sábado (29), segundo os organizadores, conseguiu reunir cerca de 400 mil pessoas no mesmo Ibirapuera.

Embora com um público menor, Bell Marques foi mais eficaz em contagiar o público. Boa parte dos fãs de Anitta passou momentos do show parado, sem dançar ou cantar, e teve até gente de braços cruzados.

Um dos pontos altos do bloco da cantora, quando os foliões pareciam mais entusiasmados, foi quando ela acionou convidados para ajudá-la a agitar a galera. Entre eles estavam Lexa e o cantor Pedro Sampaio, que conseguiram muitos gritos e aplausos.

Ainda sobre convidados, Anitta decepcionou os fãs que esperavam uma participação da cantora Gretchen, levado para o trio elétrico, alvo de muitos acenos e beijos do público, mas não chegou nem mesmo a ser anunciada a presença dela.

A assessoria de Anita informou que não estava programada a participação de Gretchen. “Ela foi apenas como convidada e para fazer ações de patrocinadores”, disse a assessoria.

Procurada, a assessoria de Gretchen ainda não se manifestou.

Assim como no sábado, os foliões também não estavam engajados em protestos ou manifestações políticas em suas fantasias. Um dos raros frequentadores a fazê-lo, foi o engenheiro civil Gustavo Ventura, 23, vestido com uma fantasia de “papel de trouxa”.

“É o que fazem a gente todos os dias”, disse ele, apaixonado pelo Carnaval.

Entre as fantasias, também havia aquelas pessoas aproveitaram o adereço para se proteger. Caso da auxiliar de manutenção Amanda Caroline, 27, que estava com janela e máscara hospital para se proteger do corona vírus. “Serve para as duas coisas. Como adereço e como proteção”, disse ela.

O bloco de Anitta foi uma das últimas atrações do Carnaval de rua de São Paulo que começou no dia 15 e tinha como expectativa ser o maior da história da cidade com 678 eventos confirmados. Só de megablocos, como o de ontem (aqueles que reúnem mais mais de 40 mil pessoas), eram previstos 39.

Uma das grandes preocupações da Polícia Militar antes do evento era não haver mortes de pessoas pisoteadas, em razão ao tamanho do público. Até a conclusão desta reportagem, não havia informações sobre eventos com morte na capital durante os dias de Carnaval.