Membros da oposição assinam documento pedindo a renúncia de Bolsonaro

Ciro Gomes

RIO — Membros da oposição assinaram um documento público pedindo a renúncia do presidente Jair Bolsonaro. Entre eles, estão os ex-candidatos à presidência Fernando Haddad (PT) e Ciro Gomes (PDT). Bolsonaro tem sido fortemente criticado por sua postura na conduta da crise causada pelo novo coronavírus, principalmente por defender o fim do isolamento social para aqueles que podem ficar em casa, medida apontada pelas autoridades de saúde, inclusive a OMS, como a mais eficaz contra a Covid - 19.

Coronavírus: Bolsonaro tira protagonismo de Mandetta, mas gabinete de crise deve seguir orientações da SaúdeNo documento, os partidos PCdoB, Psol, PSB, PDT, PCB e PT, destacam que Bolsonaro não tem "condição de seguir governando o Brasil" e que comete "crimes, frauda informação, mente e incentiva o caos, aproveitando-se do desespero da população vulnerável". Eles também destacam que o presidente "é mais do que um problema político, tornou-se um problema de saúde pública".

Entre os nomes que assinaram o documento estão Carlos Siqueira, presidente nacional do PSB; Carlos Lupi, presidente nacional do PDT; Flávio Dino (PCdoB), governador do Maranhão; Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT e Manuela D'Avila, ex-candidata a Vice-presidência (PCdoB).

Leia: Médicos que se infectaram com H1N1 revivem drama no coronavírus"Em nosso país a emergência é agravada por um presidente da República irresponsável. Jair Bolsonaro é o maior obstáculo à tomada de decisões urgentes para reduzir a evolução do contágio, salvar vidas e garantir a renda das famílias, o emprego e as empresas. Atenta contra a saúde pública, desconsiderando determinações técnicas e as experiências de outros países", destaca o documento, que ainda sugere a implementação de algumas ações, entre elas "manter e qualificar as medidas de redução do contato social enquanto forem necessárias, de acordo com critérios científicos".