Mel Maia usa conjunto rosa e brilha (literalmente) em lançamento de "Vai Na Fé"

Atriz interpreta uma patricinha na próxima novela das 19h da Globo

Mel Maia (Foto: André Horta/Brazil News)
Mel Maia (Foto: André Horta/Brazil News)

Já entrou na personagem? Escalada para viver Guiga, uma patricinha que cursa Direito na universidade, Mel Maia prestigiou o lançamento de “Vai Na Fé”, na noite desta terça-feira (10), usando um look todo rosa e repleto de brilho. Com calça de cintura alta, top e blazer, tudo da marca Charth, a produção é estimada em R$ 3.500.

Mel Maia (Foto: André Horta/Brazil News)
Mel Maia (Foto: André Horta/Brazil News)

O elenco da trama, que será a próxima novela das 19h da Globo, se reuniu no Teatro Rival, no Centro do Rio de Janeiro, para conferir como ficaram as primeiras cenas — a estreia de fato está marcada para o dia 16, segunda-feira. Ansiosa(o)?

Mel Maia (Foto: André Horta/Brazil News)
Mel Maia (Foto: André Horta/Brazil News)

Devido ao perfil da personagem, as comparações entre Guiga e a Chiara de "Travessia", interpretada por Jade Picon, são inevitáveis. Em entrevista a jornalistas sobre "Vai Na Fé", quando questionada a respeito disso, Mel minimizou os comentários na web. “Não estou acompanhando muito a novela e essa personagem também não. De personalidade, eu não sei dizer se a gente tem alguma coisa em comum, porque eu realmente não estou acompanhando", declarou. “Mas eu vi muitas fotos [nas redes sociais] e acho que o nosso estilo é, sim, bem parecido", completou.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"Vai na Fé" é uma novela gospel?

Estrelada por Sheron Menezzes, a trama pretende refletir a realidade de uma audiência movida pela fé, pela religiosidade. Nessa mesma entrevista, Rosane Svartman, autora da novela, buscou desconstruir a ideia de que a trama será voltada para o evangelismo ao relembrar outras histórias.

"Acho interessante ver como isso [a protagonista ser evangélica] chamou a atenção da mídia. É um ineditismo? Uma tendência? O que será que faz esse fato chamar a atenção?", questiona ela. “Tanto a Elisa ["Totalmente Demais"] quanto a Paloma ["Bom Sucesso"] eram mulheres de fé e isso não fez dessas novelas algo religioso”, continuou.

Para Rosane, a trama escolhida é resultado de um estudo de comportamento dos próprios espectadores. “99% dos brasileiros têm fé e 90% têm religião. Não seria estranho que isso fosse característica dos personagens. No caso da Sol, aquela mulher em uma família multigeracional, construída pela fé, aspiracional, não seria estranho que ela fosse evangélica", concluiu.