Mayra Cardi é a prova de que relacionamento abusivo é mais comum do que parece

"Ela não deve passar por isso, é rica, bonita, famosa...". Talvez essa seja uma das coisas que você pense sobre mulheres como Mayra Cardi quando se fala em relacionamento abusivo. Porém, o vídeo que a empresária publicou em seu Instagram nesta sexta-feira (26), mostra que não é bem assim. 

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

Abrindo o coração sobre o relacionamento com o ator e músico Arthur Aguiar, Mayra explica como viveu, sim, uma relação abusiva. De fato, nem todo relacionamento desse tipo tem agressão física, mas como a empresária explica nas imagens, o que marcou o seu caso foram as mentiras, as traições e as manipulações. 

Mayra tinha um objetivo ao publicar o vídeo de 10 minutos (que você pode ver abaixo): tanto deixá-lo como um lembrete a si mesma para não aceitar de volta uma pessoa que ela ama, mas que mentiu para ela, como um recado para mulheres que também se veem em situação semelhante. 

"Esse vídeo é pra você mulher que tá me assistindo e que acha que talvez você seja feia, que talvez você não tenha dinheiro, que talvez você seja gorda, que talvez você não seja uma boa mãe, que você deixou a desejar. Você não deixou nada a desejar, você é foda, você é linda, você é o que você quiser ser, este merda é que não merece estar com você", diz. 

Mayra levanta uma bola e tanto: a expectativa e a segurança que colocou sobre outra pessoa e como isso não trouxe os resultados esperados. Segundo ela, tinha tudo a ver com o quanto ela queria acreditar que Arthur poderia mudar e ser o pai e marido que ela esperasse que ele fosse. 

Leia também

"Quando eu tive a Sophia, eu criei muita expectativa pra que ele fosse o pai perfeito e o marido perfeito", explica ela. "Eu comecei a me sentir muito largada, muito humilhada. E as traições começaram. Eu me senti o cocô do cavalo do bandido, e caí numa depressão braba pós-parto. Até que eu entendesse que eu morreria se continuasse ali, e eu tive que criar forças sozinha."

A construção da autoestima é um processo. Porém, pesquisas apontam como a autoimagem da mulher brasileira é falha. Segundo um estudo da Kantar, são vários motivos que fazem com as mulheres daqui duvidem da sua própria capacidade, que vão de autonomia financeira até conexões sociais. É por isso que, de acordo com a pesquisa, 20% das mulheres se sintam com baixa autoestima além da média.

A baixa autoestima, aliás, é um dos principais motivos que levam uma mulher a cair em um relacionamento abusivo, afinal, vivem sob a premissa de que não merecem relação melhor do que aquela, que, de alguma forma, a violência que recebem é devida, e confundem o abuso com amor.   

É por isso, também, que existe tanta dificuldade em se desprender de um relacionamento desse tipo. É um trabalho conjunto que pode começar com a tomada da consciência da própria mulher, que percebe que a situação que vive não é aceitável e busca ajuda para sair dela. 

De qualquer forma, a mensagem de Mayra é importante para mostrar como é possível terminar um relacionamento abusivo e seguir em frente e como é essencial buscar o autoconhecimento e desenvolver o amor próprio antes de se envolver uma relação que faz com você se esqueça de você. 

Qualquer que seja o desenrolar da situação entre Arthur e Mayra, o mais importante é abrir essas conversas de forma pública para mostrar que nenhuma mulher está imune à baixa autoestima e aos relacionamentos abusivos. Dessa forma, não só incentivamos mudanças e baixamos a nossa tolerância a tratamentos dessa natureza, como ajudamos outras mulheres a abrirem os olhos para o que elas sentem e vivem de forma mais consciente, devolvendo a elas o poder de escolher por algo diferente. 

No mais, vale lembrar que em caso de violência doméstica é possível fazer uma denúncia na Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência, discando 180. A ligação é gratuita.