Maurício Kubrusly deixa a Globo após 34 anos

Redação Vida e Estilo
Mauricio Kubrusly/Divulgação TV Globo
Mauricio Kubrusly/Divulgação TV Globo

Maurício Kubrusly está deixando a Globo, depois de 34 anos trabalhando na emissora. A assessoria de imprensa da emissora confirmou a informação nesta sexta-feira (31), por meio de um comunicado enviado por Ali Kamel, diretor de jornalismo do canal.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Kamel destacou o estilo único do jornalista e afirmou que ele é um dos poucos repórteres que “podem dizer que criaram uma marca”. O comunicado também informa que o jornalista vai investir em um projeto pessoal

Kubrusly já estava afastado do trabalho nos últimos tempos devido a problemas de saúde. O jornalista iniciou sua carreira no jornalismo na década de 1960 no Jornal do Brasil. Passou pelo Jornal da Tarde e pela Folha de S. Paulo. Começou na Globo no final de 1970 como crítico musical do Jornal Hoje e em 1985 foi contratado pela emissora como repórter

Veja a mensagem de Ali Kamel na íntegra:

“Como definir o estilo, o jeito de contar histórias de um jornalista tão original como o Mauricio Kubrusly? Sim, esse e-mail é para contar que Kubrusly está deixando a TV Globo. E para homenageá-lo também.

Definir o estilo não é fácil, e para tentar responder a essa pergunta, assisti ao primeiro VT do Kubrusly como repórter contratado da TV Globo. O ano era 1985. O assunto, a reestreia em São Paulo da peça Ubu, Pholias Physicas, Pataphysicas e Musicaes, do Grupo Ornitorrinco, com Cacá Rosset e Rosi Campos. Convido vocês a conferir o arquivo em anexo.

Entenderam? Kubrusly não dá pra classificar, rotular. Ele é o oposto do convencional. Poucos repórteres podem dizer que criaram uma marca. Mauricio Kubrusly conseguiu. Do jornalismo cultural dos anos 1970 e 80 a um dos quadros mais adorados da história do Fantástico, ele virou referência na nossa profissão. Com leveza, inteligência e generosidade. Poucos conseguiram de imediato fazer parte da memória afetiva do programa. Com o seu Me leva Brasil, Kubrusly conseguiu. É um feito.

Carioca criado em Botafogo, Kubrusly foi aluno do Colégio Pedro II. Desde cedo, o jornalismo o atraiu: participou de dois jornais estudantis e começou cedo a carreira, aos 18 anos, em 1963. Não demorou e já estava no Jornal do Brasil, entrevistando gente de ouro como Vinicius de Moraes. Pouco depois, mudou-se pra São Paulo e logo foi trabalhar no recém-criado Jornal da Tarde.

Nos anos 1970, Kubrusly se especializou como colunista e crítico musical. Tornou-se uma “autoridade”, embora a palavra não combine com o jeito despojado dele. Da revista Senhor à Somtrês, que minha geração lembra com saudade, passando pelo programa de rádio “Sr. Sucesso”, da Excelsior, ele se tornou um dos mais respeitados jornalistas de cultura. Entrevistou todos os grandes nomes da nossa música, sem preconceito e sem reverência cega. Ao lado de Zuza Homem de Mello, no programa “Jogo da Verdade”, na TV Cultura, Kubrusly fez a última entrevista de Elis Regina, em 1982. Ela morreu duas semanas depois.

A aproximação com a Globo foi aos poucos. Em 1979, Vera Iris tentou contratá-lo, mas ele não quis. Preferiu fazer participações esporádicas, como colunista em alguns telejornais. Veio pra valer em 1985, cobriu o primeiro Rock in Rio e foi construindo a persona inimitável que a gente reconhece no vídeo em poucos segundos.

Kubrusly virou repórter exclusivo do Fantástico em 1997, e o Luizinho, lá de Portugal, conta que a sintonia foi forte e imediata, sem se apegar a fórmulas prontas, sempre criativo: ‘Não conheci ninguém mais habilidoso que o Mauricio na arte de extrair, dos personagens, fossem eles ricos ou pobres, caipiras ou doutores, histórias – as mais engraçadas; sentimentos – os mais profundos. Com aquele jeito fanfarrão e descontraído, se divertia com as mais estranhas bizarrices. Mas também tinha elegância e respeito para narrar delicados dramas humanos’.

Em 1998, Kubrusly propôs a reportagem que viria a ser o embrião de um dos quadros de maior sucesso do Fantástico. Ele embarcou na viagem de ônibus mais longa do Brasil, quase cinco mil quilômetros entre Pelotas e Fortaleza. Depois dessa aventura, ele não tirou mais da cabeça a ideia de percorrer o país pra contar as histórias de brasileiros peculiares. Em 2000, nasceu o Me Leva Brasil.

O título certeiro foi ideia de Zeca Camargo. Em 17 anos no ar, o Me Leva Brasil rendeu 270 reportagens. O conceito foi ampliado para temporadas internacionais, viajando por países como Itália, Portugal, Índia. O quadro revelou personagens impagáveis, como o senhor mais azedo e mal-humorado que já se viu, o Seu Lunga; o pão-duro de Caicó, que chegava a dividir um palito de fósforo em dois pra economizar; o bode que seguia cortejos fúnebres; o padre ginecologista, a mulher-sereia… Figuras que a produtora Karina Dorigo encontrava nos recantos mais distantes. Ela ajudou a formatar o quadro, trabalhando em parceria com o Kubrusly nos primeiros quatro anos de Me Leva Brasil.

Kubrusly também visitava festas regionais. Numa entrevista, ele disse: “Pode ser a festa do caqui, da banana, do chifre de boi, da farofa. Até a festa da farofa eu fiz, Campeonato Brasileiro de Farofa. E era engraçado, porque o Pedro Bial dizia sempre assim: ‘Festa! Onde andará o Mauricio Kubrusly?’ E abria pra mim. Quando terminava o meu trabalho, eu ficava conversando com as pessoas”.

Nos últimos anos a saúde deu três sustos, superados, mas que fizeram o querido Kubra, como o pessoal do Fantástico gosta de chamá-lo, seguir outros caminhos. Depois de 34 anos na Globo, ele parte para viver novo sonho. Um projeto pessoal que, logo mais, será dividido por ele com todos.

Kubrusly, obrigado por todos esses anos de extrema competência e profissionalismo. Sua contribuição para a Globo e para o jornalismo brasileiro já são História (com agá maiúsculo). Uma história que vai continuar a ser escrita fora daqui. Em meu nome pessoal e no da Globo, eu expresso uma imensa gratidão. Muito obrigado.

Bruno Bernardes, que pegou o bastão de Luizinho, e que acompanhou seu trajeto no Fantástico por vinte anos, sempre com admiração, me faz terminar esse e-mail com a observação:

‘Mas você ainda não explicou o que é Pataphysica!’

Kubrusly, obrigado e boa sorte.

Ali Kamel.”