Matheus Abreu, de "Malhação", encara homofobia ao viver bailarino no cinema

Matheus Abreu, o Tato de
Matheus Abreu, o Tato de "Malhação: Viva a Diferença", encara homofobia ao viver bailarino no cinema (Foto: Globo/Fabio Rocha)

Escalado para interpretar Thiago Soares, primeiro bailarino do Royal Ballet de Londres, o ator Matheus Abreu, conhecido por ter vivido o Tato em "Malhação: Viva a Diferença", exibida entre 2017 e 2018, tem sofrido com preconceito e "piadas" homofóbicas nos bastidores do filme "Coreografia da Vida".

"Quando eu contava para alguém que ia fazer balé para o personagem, ouvia piadinhas, sempre voltadas para a homossexualidade. Eu, particularmente, não sofri preconceito, mas você percebe as ideias por trás das piadinhas", revelou à colunista Patrícia Kogut, do jornal O Globo.

O ator ainda disse que os comentários vêm de lugares que nem mesmo espera e fica feliz quando recebe o apoio de outras pessoas, que também reconhecem o preconceito nas falas: "Às vezes, numa roda de amigos, alguém fala alguma coisa. Mas logo outra pessoa chama a atenção: 'O que você está falando? O que tem a ver?' Isso foi legal", declarou.

"Durante anos viemos abrindo alguns diálogos, conseguindo trocar ideias de maneira natural. Mas, nos últimos tempos, isso foi dificultado. Esse diálogo voltou a ser mais complicado", admitiu Matheus sobre o combate à homofobia.

As filmagens de "Coreografia da Vida" têm início em janeiro do próximo ano, mas Matheus está atado ao projeto desde 2017, quando fez teste para viver Thiago pela primeira vez. Desde então, o rapaz treina intensamente para fazer jus ao papel:

"De segunda a quinta, fazia Gyrotonic [método para promover condicionamento físico e flexibilidade] e, às vezes, duas aulas de balé por dia. Depois ainda comecei breakdance, porque o Thiago iniciou no hip-hop e só depois foi para o balé", explicou o ator.

"O balé é muito intenso fisicamente. É uma atividade totalmente antianatômica. Estamos acostumados a andar com os pés para frente. O balé pede que você realmente mude o jeito natural de o corpo se comportar. O corpo demorou a se acostumar com essa intensidade. É uma atividade que exige muita força, alongamento e flexibilidade, mas tudo isso com leveza", completou.