Maternidade é condenada por privilegiar Gagliasso e Ewbank no parto de Zyan

Giselle de Almeida
·2 minuto de leitura
Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso no parto de Zyan. Fotos: reprodução/Instagram/gioewbank
Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso no parto de Zyan. Fotos: reprodução/Instagram/gioewbank

A polêmica envolvendo as fotos do nascimento de Zyan, filho de Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso, foi parar na Justiça. Um casal que não pôde ter registros profissionais do parto da filha, assim como os atores, entrou com uma ação contra a maternidade Perinatal, no Rio de Janeiro. A instituição foi condenada por dar tratamento privilegiado às celebridades, e a decisão determina o pagamento de uma indenização por danos morais de R$ 40 mil.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

No processo registrado no 6º Juizado Especial Cível do Rio, os autores alegaram que contrataram uma profissional especialista em registros de nascimento pela quantia de R$ 550 e pagaram R$ 9.018,75 para a realização do parto humanizado no hospital. No entanto, a Perinatal proíbe a entrada de fotógrafos na sala de parto.

Leia também:

O casal argumentou ainda que se sentiu preterido ao ver as fotos de Zyan nas redes sociais e que a primogênita “nasceu em 16/04/2020 contando apenas com registros improvisados, simplórios e amadores feitos pelo 2º autor, deixando de perpetuar momentos preciosos e únicos”.

No projeto de sentença, a juíza leiga Livia Mitropoulos Esteves Dias ressaltou os sentimentos de “frustração, revolta e diminuição sofridos pelos autores”. Ela entendeu que houve “ausência de justificativa idônea para o tratamento diferenciado a um casal em idêntica situação de todos os outros, exclusivamente em razão de fama, mormente em se tratando de período pandêmico, em que a preocupação do hospital deveria ser de obedecer à diretrizes governamentais para não causar risco à saúde coletiva (bem comum) e não com o retorno comercial de postagem em mídia social”.

A decisão foi homologada pela juíza de Direito Flavia Santos Capanema de Souza no último dia 7.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Na ocasião do nascimento de Zyan, em julho deste ano, o caso gerou uma série de críticas, o que levou a maternidade a se pronunciar por meio de nota oficial no Instagram.

“A Perinatal informa que sua política atual de não autorizar a presença de fotógrafos na sala de parto está mantida. Um gestor de uma de nossas unidades abriu uma exceção e autorizou a entrada de um fotógrafo que apresentou um teste negativo para COVID-19, o que está em desacordo com o nosso protocolo. O referido fato está sendo devidamente apurado para a adoção das devidas medidas disciplinares”, disse o comunicado emitido à época.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube