'Masterchef Profissionais' tem primeiro participante transexual: 'A aceitação se dá pelo seu trabalho'

Thales é o primeiro participante transexual do reality show “MasterChef” no Brasil (Divulgação/ Band)

Primeiro competidor transexual do reality show “MasterChef” no Brasil, Thales Luiz Alves dos Anjos estreou no “MasterChef Profissionais” nesta terça-feira (21) e passou para a próxima fase da competição com uma sobremesa que misturava bolacha de água e sal, goiabada e queijo. O goiano, que estudou psicologia e gastronomia, contou que só começou a transição de gênero em 2013.

“Parti para a análise e consegui me aceitar como pessoa trans. Precisei tomar uma decisão entre continuar vivo ou não viver mais. Eu não me reconhecia no espelho. Falar que é trans é um peso muito grande, mas ao mesmo tempo é muito libertador. É importante que as pessoas saibam que quem você aparenta ser não é quem você é por dentro, seu caráter. Se eu conseguir salvar a vida de uma pessoa que seja – como eu fui salvo – eu estou feliz“, disse Thales em entrevista ao “UOL”.

Leia mais:
Marina Ruy Barbosa corta os cabelos para nova novela da Globo
Luísa Sonza revela que é a favor de nudes: ‘Mando quando estou na vibe’

Depois de terminar sua segunda graduação em gastronomia, em 2016, Thales passou a dar aulas como monitor e ministra palestras por todo o Brasil. “Quando ministro palestras ou aulas eu peço para as pessoas fecharem os olhos e imaginarem um espelho que reflete uma pessoa que você não reconhece. Essa é a vida de todos os transexuais. Eu tento fazer com que as pessoas se coloquem no meu lugar. O Brasil é o país que mais mata pessoas trans e o que mais consome pornografia desse gênero, então tem alguma coisa errada aí”, explicou ele.

Sobre o preconceito e as dificuldades que teve na carreira por ser transexual, Thales acredita ser possível superá-las. “Eu desconheço um chef executivo que seja uma pessoa trans. Ele [trans] acaba sendo sous chef, e outra pessoa acaba assumindo como chef. Se tiver que aparecer a cara de alguém, é sempre de outro. Muitos não achavam o ambiente da TV seguro para elas. Mas a aceitação se dá pelo seu trabalho e não pelo que você faz na sua vida. Eu quero mostrar que é possível. Quero que vejam alguém que saiu do interior, estudou, se especializou e virou um chefe de cozinha muito bom e que agora é só ascender”, afirmou.