Mario Frias sai em defesa de Sérgio Reis e diz que não há cultura sem liberdade

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 07.09.2020 - Secretário da Cultura, Mário Frias. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 07.09.2020 - Secretário da Cultura, Mário Frias. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O secretário Especial da Cultura, Mario Frias, usou as redes sociais nesta sexta (20) para demonstrar apoio ao cantor Sérgio Reis.

"Quando um artista da relevância e da importância do Sérgio Reis é tratado como uma ameaça ao Estado de Direito, isso compromete a cultura nacional, pois não há cultura artística sem liberdade. Deus proteja nossa nação", escreveu Frias.

O secretário da subpasta de Fomento e Incentivo à Cultura, André Porciúncula, comentou o post de Frias. "Não há cultura sem liberdade!​", disse. ​

A Polícia Federal cumpriu na manhã desta sexta (20) mandados de busca e apreensão em endereços do cantor Sérgio Reis e do deputado Otoni de Paula (PSC-RJ). As medidas foram solicitadas pela Procuradoria-Geral da República e autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal.​

Ao pedir as buscas contra Sérgio Reis, a PGR afirmou que o cantor quis “afrontar e intimidar os poderes constituídos” ao ameaçar parar o país por 72 horas como forma de pressionar o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), a aceitar pedido de impeachment contra ministros do STF.

Como a coluna noticiou, o cantor passou a temer uma operação da Polícia Federal depois da péssima repercussão de sua fala em que dizia que manifestantes poderiam invadir e "quebrar" o Supremo Tribunal Federal (STF) caso magistrados não fossem afastados de seus cargos.

"Ele pode até ser preso", disse a mulher do cantor, Ângela Bavini, ao relatar à coluna Painel, da Folha de S. Paulo, nesta semana que o marido estava deprimido, passando mal e com uma crise de diabetes depois do impacto de suas declarações.

Já na segunda (16), Reis ouviu de advogados que era prudente se recolher e que ele não deveria comparecer ao ato de 7 de setembro. A própria Ângela disse que não deixaria o artista sair de casa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos