Marilyn Manson vai se entregar à polícia sob suspeita de agredir cinegrafista

·4 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, BRASIL, 07-09-2016  show da banda Marilyn Manson  durante o Festival Maximus de Heavy Metal, no autodromo de Interlagos. (Foto: Fabio Braga/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, BRASIL, 07-09-2016 show da banda Marilyn Manson durante o Festival Maximus de Heavy Metal, no autodromo de Interlagos. (Foto: Fabio Braga/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Marilyn Manson, 52, concordou em se entregar à polícia de Los Angeles (Califórnia) um mês depois de ter mandado de prisão expedido. O pedido de detenção do cantor envolve duas acusações de agressões ocorridas em 2019, em New Hampshire (EUA).

Anthony Bean Burpee, chefe de polícia de Gilford, afirmou que houve um acordo entre as autoridades de New Hampshire e o advogado de Manson, segundo a CNN, para que o artista se apresentasse à política -a data não foi informada.

Quando se entregar, segundo o jornal Metro, o cantor será transferido para New Hampshire, onde deve ser julgado -a primeira sessão do processo no tribunal deve ser em agosto. Marilyn Manson, cujo nome é Brian Hugh Warner, enfrenta duas acusações de contravenção por supostamente agredir um cinegrafista.

De acordo com a CNN, o cinegrafista, contratado por uma empresa com sede em New Hampshire, estava localizado na área do fosso do palco quando os supostos ataques ocorreram -Manson teria cuspido no profissional.

O show aconteceu em 18 de agosto de 2019. O mandado de prisão foi emitido em 8 de outubro de 2019, mas só se tornou público em 25 de maio deste ano após comunicado publicado pela Polícia de Gilford em sua página oficial no Facebook.

"Sr. Warner, seu agente e advogado estão cientes do mandado há algum tempo e nenhum esforço foi feito por eles para retornar a New Hampshire e responder às acusações pendentes", dizia a publicação que se refere ao cantor pelo seu nome verdadeiro, Brian Warner.

Após o comunicado da polícia, o advogado de Manson, Howard King, disse à NBC News que a acusação era "ridícula", mas que eles estavam comprometidos em cooperar com as autoridades. "Não é segredo para ninguém que assistiu a um show do Marilyn Manson que ele gosta de ser provocador no palco, especialmente na frente de uma câmera."

O representante do cantor disse ainda que a acusação surgiu após um cinegrafista procurá-los pedindo "mais de US$ 35 mil [R$ 185 mil]" por causa da situação. Ele completou que, após terem solicitado provas de que Manson teria cuspido nele, o cinegrafista não respondeu mais.

De acordo com a polícia, Manson pode ser condenado a uma sentença de menos de um ano na prisão e a uma multa de US$ 2.000 (R$ 10 mil) ou menos.

ABUSO E AGRESSÃO SEXUAL

Além do mandado expedido por acusações de agressão, Marilyn Manson teve seu nome envolvido, ao longo dos últimos meses, em denúncias de ex-namoradas e outras mulheres de assédio e estupro.

Em maio passado, uma ex-namorada de Manson, identificada como Jane Doe, acusa o cantor de estupro e por ter lhe forçado a assistir um vídeo caseiro que mostra ele abusando de uma jovem fã, segundo a People. Ela diz que namorou o roqueiro em 2011 e que o relacionamento começou sendo "romântico e gentil" antes de "rapidamente mudar de rumo para pior", diz o site TMZ.

Segundo a revista People, a mulher disse que o cantor lhe mostrou uma fita de vídeo dele mesmo supostamente abusando de uma jovem, amarrando-a a uma cadeira, fazendo-a beber o que parecia ser urina e ameaçando-a com uma arma.

Ela afirma que passou a temer por sua vida após ver as imagens e que o sexo com o roqueiro se tornou cada vez mais violento, com ele agarrando-a com "extrema força". Ele teria ainda forçado ela a fazer sexo oral após recusar avanços do músico.

Disse ainda que, quando tentou devolver as chaves da casa de Manson, foi estuprada e ameaçada de morte pelo cantor, com ele dizendo que se safaria se a matasse. Ela alega ainda que "reprimiu" essas lembranças até ouvir sobre outras as acusações contra ele, em fevereiro deste ano.

Em fevereiro de 2021, a ex-noiva do cantor Evan Rachel Wood, 33, disse que ele começou a assediá-la quando ela ainda era adolescente. "Ele abusou terrivelmente de mim por anos", afirmou a atriz. Segundo a Vanity Fair, além da atriz, outras quatro mulheres que afirmam ter tido relações afetivas com o cantor também acusaram o artista de manipulação, assédio e abusos.

Uma delas, que esteve com Marilyn Manson em 2015 também menciona vários estupros. Também acusaram Manson sua ex-assistente Ashley Walters e a atriz Esmé Bianco, de "Game of Thrones".

Sobre as acusações de abuso sexual, Manson se posicionou em suas redes sociais no início de fevereiro. "Obviamente minha arte e minha vida sempre foram ímãs para polêmica, mas essas afirmações recentes sobre mim são horríveis distorções da realidade", escreveu em seu Instagram.

"Meus relacionamentos íntimos sempre foram totalmente consensuais com companheiras que pensam como eu. Independentemente de como, e por quê, outras estão optando hoje por manipular o passado, esta é a verdade", completou o artista.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos