Marilyn Manson é alvo de mandado de prisão nos EUA acusado de agressão

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Departamento de Polícia de Gilford, no estado de New Hampshire (EUA), afirmou nesta terça (25) ter um mandado de prisão contra Marilyn Manson. Segundo informado pela NBC News, o pedido de detenção do cantor envolve duas acusações de agressões ocorridas em 2019.

Em 18 de agosto daquele ano, Manson fez um show no local. De acordo com a polícia, as acusações estão relacionadas a essa apresentação e envolvem um cinegrafista contratado por uma empresa local para gravar o show. Manson teria cuspido no cinegrafista, mas a polícia não detalhou as ocorrências.

O mandado de prisão foi emitido em 8 de outubro de 2019, mas só se tornou público nesta terça (25), em comunicado que a Polícia de Gilford publicou em seu Facebook.

“Sr. Warner, seu agente e advogado estão cientes do mandado há algum tempo e nenhum esforço foi feito por eles para retornar a New Hampshire e responder às acusações pendentes”, diz a publicação que se refere ao cantor pelo seu nome verdadeiro, Brian Warner.

O advogado de Manson disse à NBC News que a acusação é "ridícula", mas que eles estão comprometidos em cooperar com as autoridades. "Não é segredo para ninguém que assistiu a um show do Marilyn Manson que ele gosta de ser provocador no palco, especialmente na frente de uma câmera", afirmou Howard King.

O representante do cantor também afirmou que a acusação surgiu após um cinegrafista procurá-los pedindo "mais de US$ 35 mil [R$ 185 mil]" por causa da situação. Ele completou que, após terem solicitado provas de que Manson teria cuspido nele, o cinegrafista não respondeu mais.

De acordo com a polícia, Manson pode ser condenado a uma sentença de menos de um ano na prisão e a uma multa de US$ 2.000 (R$ 10 mil) ou menos.

Nos últimos meses, diversas mulheres acusaram Manson de assédio, estupro e agressão. Ex-noiva do cantor, a atriz Evan Rachel Wood, 33, disse que ele começou a assediá-la quando ela ainda era adolescente. "Ele abusou terrivelmente de mim por anos", afirmou a atriz.

Segundo a Vanity Fair, além da atriz, outras quatro mulheres que afirmam ter tido relações afetivas com o cantor também acusaram o artista de manipulação, assédio e abusos. Uma delas, que esteve com Marilyn Manson em 2015 também menciona vários estupros.

Manson se posicionou em suas redes sociais no início de fevereiro. "Obviamente minha arte e minha vida sempre foram ímãs para polêmica, mas essas afirmações recentes sobre mim são horríveis distorções da realidade", escreveu em seu Instagram.

"Meus relacionamentos íntimos sempre foram totalmente consensuais com companheiras que pensam como eu. Independentemente de como, e por quê, outras estão optando hoje por manipular o passado, esta é a verdade", completou o artista.