Ex-BBB Ariadna repudia fala transfóbica de Marilia: "Inadmissível"

Ariadna Arantes comentou a polêmica envolvendo Marilia Mendonça. A sertaneja foi acusada de transfobia depois de rir de um amigo que teria ficado com uma mulher transexual durante uma live. A ex-BBB usou as redes sociais para repudiar a fala da cantora e sugerir ações além do pedido de desculpa.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

A maquiadora, que está na Itália com Anitta, se diz triste com o caso. “Ela é uma cantora que poderia usar a sua visibilidade, seu poder de imagem, a favor da comunidade humana. (...) É inadmissível essa ‘brincadeira’ partir de uma cantora como ela. Marilia, não sei se esse vídeo vai chegar até você, mas eu espero que, além do seu post, você faça mais”, diz Ariadna em uma série de vídeos no Instagram.

Leia também

“Ela poderia usar o espaço dela para esclarecer e mostrar para as pessoas que esse tipo de ‘brincadeira’ leva a graves consequências. Da chacota vai direto para a agressão. Não são os héteros que estão morrendo por preconceito”, completa.

A ex-participante da 11ª edição do reality show da Globo ainda aconselha a artista a contratar mulheres transexuais. “Dê visibilidade para as nossas meninas trans. Isso não é piada. Dê emprego para duas, três trans. Faça valer seu pedido de desculpa. Coloque uma trans na sua equipe”, pede a morena, que também diz para Marilia chamar pessoas trans e fazer uma live sobre transfobia.

A ex-BBB transexual critica "piada" da artista (Foto: Reprodução/Instagram @ariadnaarantes @mariliamendoncacantora)
A ex-BBB transexual critica "piada" da artista (Foto: Reprodução/Instagram @ariadnaarantes @mariliamendoncacantora)

Ariadna, que é uma mulher trans, lamenta que a declaração preconceituosa tenha vindo de uma mulher que sofre pressão estética. “Daqui uns dias vocês vão esquecer, mas é em cima da gente que vem esse peso. Estou cansada de falar sobre isso. Isso é chocante em pleno século XXI. Pede-se empatia e igualdade, mas não dão”, finaliza.