Marieta Severo se sentiu como uma detetive em "Duetto": "Adoro desvendar"

Marieta Severo, Luísa Arraes e Gabriel Leone no filme
Marieta Severo, Luísa Arraes e Gabriel Leone no filme "Duetto". (Foto: Divulgação/Imagem Filmes)

Duetto” é o novo filme de Vicente Amorim que chega aos cinemas nesta quinta-feira (29) e retrata três mulheres lidando com a dor do luto de formas completamente diferentes. A trama mistura o drama com elementos de mistério e Marieta Severo conta que se sentiu quase como uma investigadora enquanto se preparava para viver Lúcia na história.

No longa, a personagem de Marieta é uma mulher que acaba de perder o filho em um acidente de carro e viaja para a Itália, onde deixou histórias inacabadas antes de se mudar para o Brasil e também muitos segredos. “Eu sempre sou muito estudiosa. Então eu mergulho muito [na história]. Eu adoro esse pedaço de desvendar, parece que eu sou um detetive com uma lupa assim atrás do grande mistério”, disse em entrevista ao Yahoo.

Ela conta que aproveitou cada detalhe do roteiro e os direcionamentos de Amorim para “construir dentro de você e a partir de você” uma personagem tão complexa com fases de desconstrução, reconstrução e construção. É através de seus elementos, sua visão, espírito crítico e também com suas emoções que ela comunica os conflitos de Lúcia para as telas. “É um momento de muita ebulição interna para o ator. Nós penetramos em nossos terrenos mais inseguros e mais duvidosos”, explicou.

A neta de Lúcia, Cora (Luísa Arraes), vivencia a dor da perda de uma forma extremamente solitária, vivendo essa dor, que a atriz descreve como um momento de exílio. “Ela não está indo para fazer uma viagem de curtição de férias, ela está indo conhecer um passado em um país estrangeiro”.

Mas diferente da avó, Cora vê a viagem como um momento de recomeço. "Ela está começando do zero, é muito corajosa. Em vez de ficar em um lugar seguro, em casa com os amigos, ela vai em um jornada, tipo 'já que eu estou sozinha, vou sozinha mesmo’".

Enquanto para Lúcia, revisitar um local repleto de lembranças tristes é um período de reflexão, uma fase “de penetrar e elaborar esse trauma”. Só assim, “ela consegue dar um novo rumo pra vida", completa Marieta.