Maria Bruaca faz monólogo em "Pantanal" e garante: "Não me rebaixo mais para traste"

Maria Bruaca em Pantanal (Globo/Divulgação)
Maria Bruaca em Pantanal (Globo/Divulgação)

Com a chegada de Zuleica (Aline Borges) ao Pantanal, Maria Bruaca (Isabel Teixeira) entrou em crise e decidiu não aguentar mais nenhum abuso do marido. A dona de casa vai embora da fazenda e começa uma nova vida na chalana de Eugênio (Almir Sater), mas antes disso faz um monólogo para o público reafirmando seu compromisso com ela mesma.

"Uma vida inteira largada na mão dele. Para agora ele me dizer que vai trazer a outra pra cá. Mas como você é burra, Bruaca! Você não desconfiou de nada? Mas agora você acordou pra vida e não vai mais se rebaixar praquele traste. Você tome tento da sua vida", diz ela, em uma cena dramática da atriz Isabel Teixeira.

Mudança de vida

Maria Bruaca (Isabel Teixeira) resolveu se reinventar após ser expulsa de casa pelo marido em "Pantanal". A dona de casa irá morar na chalana da região ao lado de Eugênio (Almir Sater), e terá a oportunidade de esnobar o marido.

Agora com o nome Maria Chalaneira, ela presenciará Tenório (Murilo Benício) passeando com Zuleica (Aline Borges), a amante que trouxe para ser sua nova esposa. Ao ver a cena, a ex-Bruaca não vai parar a chalana e dirá para Eugênio seguir em frente.

"Tem gente esperando ali. Não era o seu marido?", questiona Eugênio. "Eu passei uma vida inteira esperando. Eles que esperem um pouco mais. Eu não tenho marido. Nunca tive! Tive dono, marido, nunca na vida", dispara.

Histórias reais

Não são poucas as mulheres que se identificam com Maria Bruaca (Isabel Teixeira) em "Pantanal". Maridos arrogantes, machistas, que traem e fazem ameaças infelizmente não são exclusividade das histórias da ficção. Sônia* (nome fictício) viveu isso na pele e se identificou com a personagem de Isabel Teixeira quando começou a assistir a trama de Maria Bruaca na novela da Globo.

"Sempre fiz tudo em casa, sou muito organizada, amava cozinhar, mas comecei a perceber que não estava feliz naquele lugar", diz ela, que foi casada durante 20 anos com um médico legista que nunca a agrediu fisicamente, mas humilhava, traía e ameaçava ficar com a guarda do único filho do casal.

"Eu era muito inocente, tinha pesadelos com isso e acreditava em tudo porque ele tinha contato com juízes. Foram anos de sofrimento. Ele fazia brincadeiras tontas do tipo 'nossa, quando casamos você era bem mais gostosinha'", diz a mulher, que se viu no fundo do poço a cada nova descoberta envolvendo o companheiro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos