Margareth Menezes lembra 'Love, Love, Love' de Pelé em discurso da posse

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 02.01.2023 - A ministra da Cultura, Margareth Menezes. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 02.01.2023 - A ministra da Cultura, Margareth Menezes. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em clima de festa, a ministra da Cultura Margareth Menezes assumiu o compromisso de reconstrução do MinC, celebrou suas raízes afro-indígenas, cantou no teatro do Museu Nacional da República e relembrou o "Love, Love, Love" de Pelé em sua posse com ministros de Luiz Inácio Lula da Silva e artistas como Fafá de Belém.

"Estávamos tristes, com medo de perseguidos e algumas vezes humilhados. Mas agora abrimos mais uma vez os olhos para este encanto único que é o Brasil, nossa casa que estava sendo demolida de dentro para fora, a partir da sua alma, que é a cultura", disse ela.

Saiba como foi a posse de Margareth Menezes "Quem extinguiu o MinC sabe da nossa importância. Combate-se a cultura quando se quer um país calado, obediente", disse. "Houve resistência e ninguém soltou a mão de ninguém", afirmou ainda, ao lembrar o impacto tanto da pandemia quanto do governo de Jair Bolsonaro para o setor.

Além de assinar o termo de posse, ela ainda anunciou nomes que vão compor o ministério -Márcio Tavares na secretaria-executiva, Roberta Martins em comitês de cultura, Fabiano Piúba em formação, livro e leitura, Zulu Araújo em cidadania e diversidade cultural, Henilton Menezes em fomento e economia da cultura, Joelma Gonzaga no audiovisual, Marcos Souza em direitos autorais e intelectuais, Maria Marighella na Funarte e Marco Lucchesi na Biblioteca Nacional.