Marcius Melhem diz que foi "tóxico", mas nega assédio: "Nunca inibi, coagi ou persegui"

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Marcius Melhem é acusado de assédio moral e sexual. Foto: divulgação/TV Globo
Marcius Melhem é acusado de assédio moral e sexual. Foto: divulgação/TV Globo

Acusado de cometer assédio moral e sexual na época em que chefiava o núcleo de humor da TV Globo, o ator Marcius Melhem disse que “cometeu excessos” ao se relacionar com mulheres de sua equipe, mas nega ter sido violento, como contam algumas das vítimas, segundo reportagem da revista “Piauí”, que publicou detalhes dos relatos na última sexta-feira (4).

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Em entrevista ao portal UOL, Melhem afirma ainda que entrou com uma ação contra a advogada Mayra Cotta, pedindo provas das denúncias, e que vai interpelar judicialmente Dani Calabresa, para que ela confirme ou desminta os episódios de assédio.

Leia também:

Melhem diz que resolveu, finalmente, se pronunciar, um ano após o surgimento das acusações, por uma “questão de dignidade”. “Preciso estar aqui com toda transparência, toda a clareza, para dizer que eu fui um homem tóxico, um marido péssimo, uma pessoa que cometeu excessos em se relacionar com pessoas dentro de seu próprio ambiente de trabalho, coisa que eu não via problema, mas hoje entendo todas as nuances que isso pode ter”, argumentou.

“Jamais tive nenhuma relação que não fosse consensual e eu jamais pratiquei nenhum ato de violência com quem quer que seja na minha vida. Esse perfil que foi traçado ali [na entrevista da advogada à coluna de Monica Bergamo, da “Folha de S. Paulo], ele não corresponde de forma alguma a quem eu sou”, alegou.

Em sua defesa, o humorista afirma que é “impossível” ter acontecido o episódio relatado na Piauí, durante uma festa em 2017, em que ele teria tentado beijar Dani Calabresa à força, lambido o rosto dela e tirado o pênis para fora da calça. Questionado sobre o episódio, que chama de “fantasiosa” e “irreal”, ele diz que não vai contar sua versão.

“Uma semana depois daquela festa, nós trocamos mensagens. Vou falar só isso aqui porque não expõe nada, só para dizer da nossa relação. Uma semana depois daquela festa, que eu teria feito aquilo, aquele absurdo, a Dani me convida para ir à Disney, eu e minhas filhas. ‘Quero ir para a Disney com você e suas filhas’. Uma pessoa que sofreu aquilo uma semana antes vai me mandar um áudio, uma semana depois, no privado, para dizer que queria ir para a Disney comigo e minhas filhas?”, disse.

Ele também afirmou que nunca usou sua situação como chefe para assediar seus funcionários: “Eu nunca inibi, coagi, demiti, persegui, isso não existe, pelo contrário. Eu justamente não via os erros disso nesses momentos porque eu não usava isso. Não existe um relato em que eu tenha dito para alguém ‘Se você não fizer isso, eu não te dou aquilo’. Isso não existe! Isso não apareceu”.

O humorista vai além. Ele diz acreditar que possa ter ferido pessoas do grupo, mas que há em curso um “processo de vingança” contra ele “de pessoas que se sentiram desprestigiadas no trabalho, de pessoas que perderam um lugar em programas que queriam estar”.

“Não estou dizendo que todas as pessoas que estão ali são mentirosas, mas que o caso é muito complexo. Com certeza tem gente que eu magoei, que se sentiu assediado, mas também tem gente querendo ganhar espaço e poder em uma empresa que está demitindo e tem gente entrando na onda. E eu virei um símbolo de alguma coisa que tem que morrer. Então esse movimento, ele foi ganhando força e as pessoas acreditam nessa narrativa”, afirmou.

Melhem garante que que quer ir à Justiça para esclarecer a situação de uma vez por todas. “Se lá ficar provado qual é a responsabilidade de cada um, eu vou acatar a minha. E quero seguir minha vida, por isso é importante que isso seja judicializado. Porque eu não posso viver nesse horror sem fim, esperando a próxima matéria, o próximo off, a próxima acusação sem rosto, sem prova, sem nada. Eu preciso saber o que eu fiz e poder me defender. E pedir que eu tenha a segunda chance de dizer que cresci, que aprendi, que nunca mais vou ferir ninguém nesse lugar”, disse.

Por fim, ele diz ter “profundo respeito” por Dani Calabresa. “Não tenho nenhum ódio dela, eu acho ela uma excelente comediante. Tive muito prazer de trabalhar com ela todos esses anos, sem nenhuma crise. Lamento muito que tenha chegado nesse ponto, mas é importante que nós dois vamos até a Justiça, para que lá tudo fique esclarecido e a responsabilidade seja devidamente colocada. É só o que eu posso dizer”, afirmou.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos